,

,

cinepoema longo

clicar youtube para écran inteiro

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

UM POEMA AO VENTO

.....
O mecanismo do vento
.
Entender o mecanismo do vento, o seu carácter transitório,
o caminho das pétalas duma flor sobre um vidro transparente
que reflecte a imagem do próprio frio do vidro colado ao tempo
.
é um acto que pressupõe a elaboração cuidada dum inventário
das causas remotas, um roteiro para o exacto declive das águas
que vêm da montanha, coabitando na terra, unindo-se à terra.
.
Essa é a verdadeira ciência dos musgos e do pólen que alaga
os nossos olhos com círculos irisados de sol, que transfigura
o nome que se dá a uma maçã, mesmo se na forma duma pedra;

e dessa textura é a frágil química dos sonhos, da predestinação
das noites caindo devagar sobre as nossas mãos demoradas,
a sua eterna transfiguração, o ciclo da água, o círculo do planeta.
.
em Terrachã, ed. AJEA

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

POEMA À MOSCA

.

Pobre irmã mosca, triste insecto díptero, abundante de olhos
para não ver a teia, para não respirar as trevas à luz do dia!

.
Como eu te invejo, mas martirizo com vidros transparentes
azuis-brancos, imitações de fruta, aromas a romã, outras sinais
com que perdes a cabeça e ganhas o engenho da cópula,
nas lides, nas tardes chãs de apenas buscar a seiva árida!

.
Ah, minha querida mosca, meu devaneio de ser homem
com olhos dentro dos olhos, para ver outras realidades, cores,
dimensões que tu nunca mediste, na tua inocência agrária
de apenas medir o tamanho do teu voo, das tuas patas ágeis
para desembarcar nos espaços nus onde reina a tranquilidade

.
um lugar para existir devagar sobre as coisas que são as tuas
onde encontrar outra mosca irmã, para completar a crónica.

em Terrachã, ed. AJEA

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

.......
Lembranças
......
,
Ainda restam uns pedaços do sonho
porque os sonhos perduram para além do sonho
porque a tua lembrança acende todas as lembranças
porque outras imagens murmuram a tua imagem.
.
É pois, o tempo das memórias,
da água que desliza sobre as águas
o vento que se dilui nos ares
a pedra petrificada restituindo a pedra.
.
Restos de palavras que dizem outras palavras,
de alegrias que imitam a alegria,
de pequenos silêncios no vazio silente
irrepetível do sonho
que fez de ti a tua imagem em outrem,
despedaçando-se,
até vir o ágil mar do sono.
,
em TRANSPARÊNCIAS, ed AJEA

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

POEMA ÀS ARTES MÁGICAS

.......
.......Por artes mágicas

.......e outras lógicas

.......nos rigores do mar
.......nas velas brancas
.......como espuma de ar

.......derribando os continentes
.......e as ilhas
.......por onde andei

.......nas noites e nos dias
.......me aventurei
.......ao interior dos vulcões

.......e vi
.......nas noites do sonho
.......e utopia

.......a lua clara
.......em pleno dia.

sábado, 10 de novembro de 2007

POEMA À CIDADE

 .
A cidade irá permanecer depois da minha morte:
irá permanecer em metamorfoses de claridade
o céu esvanecendo a reminiscência duma elipse
num sentimento ainda vago pelas ausências.
 .
Cumprirá a norma habitual das regras eruditas,
a de exercer a utopia num casulo de teias indeléveis
só perceptíveis nas mais ocultas noites
onde os sonhos abusam dos olhos comovidos.

 -
Irá permanecer nas vielas duma probabilidade
insondável, de mistérios irrevelados,
insolúveis, mas destros de memórias
doutros tempos, do tempo ausente, de ontem.

 º
Irá permanecer com a mesma célere inconsciência
de raízes demoradas sobre a terra, na solidão dos dias
e irá até ao limite a luminescência da noite
flutuando sobre o infinito de outras vidas interinas.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

AGRADECIMENTOS


Foi para mim uma muito agradável surpresa,
as postagens que duas amigas
tiveram a amabilidade de elaborar,
a respeito da recente 3ª edição do meu livro
"Merdock, um cão em Faro, anos 50".

Acontece que tive a felicidade de encontrar uma e outra.
Sophiamar -
http://sophiamar.blogspot.com
no próprio dia do lançamento do livro,
e Kalinka
- http://Kaliynka.blogspot.com
durante uma sua recente viagem,
para passar um fim de semana no Algarve.

A postagem de Sophiamar é do dia 7 de Outubro
e a de Kalinka, do dia 31 de Outubro.
BEM.. HAJAM,.. AMIGAS!
v
mm,PS - Aproveito o ensejo para dizer que recebi 2 cartas,
(mas que não sei de que blog vêm, e gostava de agradecer),

com os 5 euros respeitantes à 3ª edição do meu livro Merdock (conto)
+ Como um Relógio de Areia (poemas),
promoção que, aliás, continua até ao fim do mês.

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

POEMA ÀS CORES

.
Atenta nesta paleta de cores
estes sinais de opulência da luz breve
símbolos que acordam a manhã dos nossos olhos
para a flor do sol
que insistem na múltipla transfiguração
das imagens que dão forma às nossas vidas;
repara no preto e no branco
como se a sinfonia dos acasos
não fosse mais que a simetria dos ocasos
ou no azul que desfalece
os matizes infindáveis do cinzento
que vai nos olhos, no sangue de cada um
porque é o sol magenta dos alvores matinais
que trai os sonhos da madrugada
a reflexão das cores e do entendimento.
Vê como o verde decai
em tonalidades martirizadas pelo ocre e o amarelo
sustentando a linha melódica dos barros;
Observa a cor do céu na fria latitude
dos gelos glaciares,
na transparência da água dos oceanos
resolvida em anémonas e corais de luz.
Atenta no rosa dos frutos da primavera
entre as folhas a captar o sol
para a maturidade corrompida pelo granizo
onde a imagem da noite baila
no esmorecimento das cores e a sua ausência
o negro
.....o presente persistindo
.....curvado à sapiência do eterno.
Atenta nas cores
e ouve o timbre os tons da música
capazes de trazer violetas e rosas
ao patamar da euforia
o clímax de licores de carmim e rosa
em púrpura desfeita virgindade
na face da menina
já mulher.
Lê a tua sina em esmeraldas
e em rubis cristalizados
proscritos até ao fim do tempo
ou o ébano das noites frias envenenando
o brilho diáfano de ametistas e turquesas
que resolvem a cinza em azul e oiro
e vê como tudo se encaminha para um grande abraço
num arco-íris que vincula a terra à terra
o sangue ao rubro sangue das entranhas dum vulcão
que derrama todas as cores,
os símbolos e os signos
o magma que há de florescer nas sensações
a percepção subjectiva
do real.
inédito

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Poema ao Mosteiro da Batalha

AFONSO DOMINGUES - A ABÓBADA


................... Creio na geometria
...................no rigor da pedra

...................no obscurantismo
...................e na cegueira.

...................Que a luz se faça
...................no sótão
...................das vossas mentes
...................amén.

...........................inédito.
.
Este poema requer uma achega suplementar, especialmente dirigida aos muitos amigos brasileiros que visitam o meu blog.
Em 1388, para comemorar a vitória na Batalha de Aljubarrota, contra os Castelhanos, e como agradecimento pelo auxílio divino, D. João I encarregou Afonso Domingues de construir um mosteiro, próximo do local da contenda, onde já se haviam instalado os Dominicanos.
No entanto, algum tempo depois de começadas as obras, Afonso Domingues cegou e o rei resolveu entregar a obra a um mestre irlandês de nome Ouguet, convencido de que o português estava incapacitado para prosseguir a obra.
Ouguet modificou os planos iniciais, pois achava que a abóbada desenhada por Afonso Domingues era muito achatada e não seria capaz de manter-se.
No entanto, ao fim dos largos anos que demorou o empreendimento, dois dias depois de construído o novo traçado - da lavra de Ouguet -, a abóbada ruiu estrondosamente, pondo os frades em pânico, a esconjurar o irlandês.
D. João voltou a entregar a obra a Afonso Domingues que, apesar de cego, levou a o projecto até ao fim.
E para mostrar que os seus cálculos estavam certos, permaneceu sentado numa pedra, debaixo da “sua” abóbada, durante três dias e três noites. Morreu, pouco tempo depois. Mas a abóbada ainda lá está, enfrentando as vicissitudes do tempo e o correr dos séculos.
O mosteiro foi proclamado "património mundial" da UNESCO.

domingo, 21 de outubro de 2007

POEMA ÀS PALAVRAS

.
Há sempre uma palavra dentro da palavra
um gesto por exemplo
ou o zumbir dum insecto a
levantar o vento morto

Traz uma mensagem fugidia uma essência
que luz ao ritmo do tumulto da claridade
só perceptível pelos reflexos da própria luz
transparente interior das coisas

A sua transcendência identifica o fogo
o perfil exterior e seus artifícios intemporais

E apenas se lê em sinais indicativos
de virtuosos alquimistas procurando o oiro
na flecha no círculo dum arco íris caindo
magnânimo sobre o cinzento da terra

.
em Por detrás das Palavras, ed. Mic

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

EFEMÉRIDE

UM::LIVRO::PROIBIDO
clique para melhor ler

O meu livro de poesia “Os Sinais da Terra”, foi proibido pela Censura/Pide, em 1962, pouco tempo depois de ter saído.
Faz 45 anos, por estes dias, que a notícia me chegou às mãos, por um amigo, dono duma livraria.
Aqui se mostra (parte) do boletim enviado aos livreiros, dando conta da proibição.
O livro consta da obra “Livros Proibidos no Regime Fascista”, da autoria de Maria Luísa Alvim e está catalogado com o número 360.
.-

domingo, 23 de setembro de 2007

POEMA AO PÓ

.
A redescoberta que é ver o pó, cheirar o pó,
cheirar a pó. É um rumor inerte, um retrato
tangível de outras memórias perfurantes,
um vazio entre azuis e baços no chão da terra
gritando segredos abatidos ao silêncio ileso.


Praticar a ciência do pó é viajar pelos gelos
da montanha, um texto insondável de signos
sobre a água, reminiscência doutras águas
de apenas a cognição nua, virgem, das fontes


é desvendar a erosão, o murmúrio de colunas
gregas, efémeras, a inocente exaltação das aves
assim que o sol reacende a festa inadiável

e contemplar uma indústria sem nome e sem data,
sem prólogo, divina, puríssima, demoníaca.


quinta-feira, 13 de setembro de 2007

POEMA À MIRAGEM

............
.....Este dia é apenas uma miragem
.....restos de sombras, sombra.

.....Dos seus beirais caiem fugidias ruas
.....em estilhaços sobre o lancil da luz,
.....pedaços de memórias, ruínas
.....de palavras nunca ditas.

.....Tudo é silêncio e névoa
.....nas grandes viagens transcendentais
.....ao coração matinal dos pássaros, à núbil
.....ciência abstracta dos insectos.

.....Imagem que se desfaz em imagens
.....de pólen, circunscrito a um lugar
.....cada vez mais longínquo


.....que se ateia e logo morre
.....em nossas mãos.

.
..............inédito

terça-feira, 4 de setembro de 2007

POEMA ÀS FLORES DE OUTONO

...................................................
..........Agora vou reclinando o corpo
..........entre a terra e as estrelas.

..........O espaço é breve
..........para a brisa do mar
..........que ainda soa.

..........E no entanto adormeço
..........no meu sonho,
..........sereno de harmonias

..........incendiando o fino pó
..........da terra
..........com estas flores violentas,
..........exíguas, do outono.

..........em Transparências, ed. AJEA

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

POEMA A UMA VELHA ÁRVORE

. .

O perfil duma velha árvore enche-nos de alegria.

A sua sombra traz-nos a presença tranquila da terra,
a forma da própria Terra, a sua frescura fraterna.

É uma pátria renovada de palavras anunciadas, lidas
nas vozes do rio, nas rotas do sol transbordante;

ela restitui os desvelos relembrados desde infância,
a cândida explicação dos perfumes pronunciados
noutros tempos imateriais, mágicos de plenitude;

traz a serenidade neutra, a harmonia dos outonos
na imagem dum rebanho que regressa pela tarde,
nas chuvas temporãs próprias do cheiro do barro,
a secular legítima ideia dum tecto restaurado;

organiza os enxames, une os sons do ar instável,
esvanece o orvalho vagaroso deslizante do corpo.

O colo duma velha árvore é o sonho duma criança
perpetuando a redobrada paz, e acende na água
rumorejante das fontes a sedução dos pássaros.


em Terrachã, ed. AJEA

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

O EDIFÍCIO DAS PALAVRAS

....

..........O edifício das palavras,
..........o projecto inerente à ideia
..........e aos degraus da leitura,

..........o processo linear dos sons
..........e dos afectos

..........um pouco de embriaguês
..........para questionar as sombras e a luz

..........eis a explosão programada

..............o poema

..........a desobediência aos mistérios
..........no desassossego e na emoção
..........de dizer o indizível

..........à luz do dia.


.............................inédito

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

POEMA DO FINGIDOR

...................................
. .........Arriscar tudo na roleta
........ como o verde em violeta,
.........fingindo fingidor
.........que fingiu o mal de amor.

.........Deslumbrar-se de perder
.........quando tudo estava a ver
.........que só perde o vencedor
.........que se imagina perdedor.

.........Confessar ao confessado
.........que não fui o mal amado
.........e na noite principal
.........encomendar o funeral

.........fingindo fingidor
.........que fingiu o mal do amor.

segunda-feira, 30 de julho de 2007

O VOO DO OVO

Poesia Experimental # 3


Dimensões do quadro em Exposições: 40x24

Arranjo gráfico de Francisco L.

Este quadro tem suscitado comentários muito interessantes. Mas deixo-vos um desafio: Há pelo menos mais um elemento patente na gravura e que ainda não foi aflorado. (1 de Agosto)

(4 de Agosto) - O VOO DO OVO (o pássaro que somos),suscitou variados comentários dos visitantes deste blog.
Na generalidade, eles foram no sentido de interpretar o quadro. Assim, muitos dos meus estimados leitores referiram as cores (implícita ou explicitamente, do arco-íris), o ovo, o voo (dum pássaro) e a terra. Obviamente o castanho não é uma cor do arco-íris e é geralmente conotada com a terra. A terra onde (ou donde) nasce o ovo, para dar as asas (dum pássaro) e subir atravessando as cores do arco-íris, até ao azul (de imediata conotação com o céu). Mas… não nascemos nós próprios dum ovo, na terra! E quem, de nós, não passou por todas as cores (com todas as conotações que isso possa ter)?
Aspiramos ao azul (não será esse o símbolo da plenitude: o céu, o grande mar, onde reina a tranquilidade e a pureza?) E então as asas? E este foi o desfio que lancei, a um dado momento: mal atingimos o azul, ou estamos em vias de fazê-lo, já as nossas asas começam a pender, a descair… a curvar-se… para a terra, o mar, onde tudo recomeça.
Inexoravelmente.

quarta-feira, 25 de julho de 2007

POEMA AOS CONDENADOS

.
Já não era possível voltar atrás,
nem era possível fitar o caminho passado
com a alegria de o ter vencido.

Agora todo o arco do céu se recobria das suas cores nítidas
com fantasmas de luz fátua, constelações austeras,
andrómeda e hidra,
ainda o mesmo mistério obscuro
calava as serpentes de sedução que se enroscavam nas árvores,
à beira da mais pura lídima transgressora alegria.

As póstumas metáforas de sol dardejavam desejos imprecisos,
obsessões ímpias, espectros.

Soava uma melodia melancólica que anunciava o principio do fim,
como se ouvíssemos um piano moribundo indo para os graves.

Agora tudo se resumia a um espasmo de nocturnas
efémeras mariposas despedaçadas ao calor do dia claro,
amaldiçoando os regressos da luz,
a luz coada etérea das estrelas que para sempre brilham nos céus
e que espalham os seus ocasos imperceptíveis vagarosos,
nos olhos dos condenados.


Inédito

quarta-feira, 11 de julho de 2007

HOJE COMEÇEI

-
Hoje comecei,
mas não ri
nem chorei.

Comecei
como se começa,
nem devagar
nem depressa.

Comecei
como se termina.

Começar e acabar
é mesma sina.

Não vale a pena ter pressa...
. .
em "Poemas Primeiros". Ed. AJEA - (reedição)

sexta-feira, 30 de março de 2007

BEETHOVEN


.
Beethoven #1

Ao Artur Neira

Foi da primeira vez
que ouvi o tam tam tam tam de Beethoven

era eu criança ainda nada
conhecia da pomba sob o cipreste

nem de dores de dentes nem da dor de Dante
muito menos da dor diante.

Foi como eu se fosse o estado puro
dum cristal que tinisse no interior duma redoma
de dentro para dentro de si próprio
de dentro para dentro do próprio cristal
da primeira vez que ouvi Beethoven
era eu criança ainda nada conhecia dos pátios de Granada
nem de ananases redondos do Vietnam,
só sabia um pouco do sabor do sol e do sal
que trinta anos mais tarde em Londres
descobri mediterrânico.

E no entanto
o sangue acendeu-se-me de pólvora
– uma catedral cheia de formigas
no sítio dito da habitação da alma,
os músculos retesaram-se-me como a um cro-magnon
meditando um búfalo em Altamira
e fiquei a vida inteira a imaginar um homem surdo
atulhado em raízes de liamba
a cheirar fumo pelos tímpanos dos olhos.

em Como um Relógio de Areia

O autor agradece a José Francisco Luz
que instalou a música