,

,

cinepoema longo

clicar youtube para écran inteiro

segunda-feira, 2 de abril de 2012

NEM SEMPRE É POSSÍVEL


 .
Nem sempre nos é possível encontrar uma romã      
quando se procura uma sombra junto à fonte,
um sentido para a nossa sede urgente, uma luz dízima
para um esquecimento à beira da memória.
 .
Diremos a evidência dos lugares que nos olham
com a indiferente irreverência de claustros
imunes às feições do tempo, seus inquilinos frágeis
– por isso mesmo merecedores dum longo enlace –
ou a uma gota de água para a rede das raízes
que esperam o amante adormecido.
 .
A vida nega-nos a veleidade dum equilíbrio assente
na leveza verdadeira de horizontes claros
 .
e assim nos alimentamos da utopia da visão desnuda
de singulares cometimentos, num quadro improvável
à beira duma fonte onde despontam as romãs
a sede urgente que nunca satisfaz as nossas bocas.
.
Leia também o meu mais recente conto aqui