,

,

cinepoema longo

clicar youtube para écran inteiro

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

POR ARTES MÁGICAS

.
Por artes mágicas
e outras lógicas
.
nos rigores do mar
nas velas brancas
como espuma de ar
derribando os continentes
e as ilhas
por onde andei
.
nas noites e nos dias
me aventurei
ao interior dos vulcões
e vi
nas noites do sonho
e utopia,
a lua clara
em pleno dia.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

LIVRO DE TEATRO

clicar na imagem
APRESENTAÇÃO: Prof. Maria Antónia Vargas
MOMENTO MUSICAL: Duo Paulo Galvão e João Bandarra (guitarra clássica).
Porto de Honra, Convívio, Sessão de Autógrafos. 
.
Leia também "Ao Modo de Apresentação" - da peça, aqui

domingo, 18 de dezembro de 2011

NATAL NA RUA

O NATAL DOS SEM ABRIGO
 .
Naquela noite fazia frio fazia pena
ver almas despedaçadas deitadas corpos entrouxados
dispersos nas calçadas luzidias do passeio das ruas
 .

Caía uma névoa fina que simulava chuva punhais
de raiva e resignação ou antes uma levada de mágoa
de murmúrios sem data sem fumo sem restos de cio
perdidos num mar de pedras nas calçadas da rua
,

Era uma noite de claustros tambores rufando clamando
os clamores da vida a náusea descrente na boca sofrida
o granito fundido já duro das lutas perdidas
pisado nos ossos nos ombros nos olhos que olham
as coisas por fora nas coisas por dentro
e as noites nos dias e os búzios na praia sem vento
soprando as pedras do passeio da rua

,

Doía a quem doía não fora a noite uma noite
de aprazimento em todas as aldeias da cidade
tempo de alegrias acepipes farturas alvarinho
em casas abastadas sobranceiras aos passeios da rua
.

o mais vago grave desígnio dum oráculo de plenitude
na inocência das crianças nas crenças na sentença
dos mecanismos que levam ao enternecimento
por ver a chuva a cair sobre corpos alheios
prostrados enrodilhados no manto do passeio das ruas.

 .
...............................DESEJO

A TODOS OS MEUS ESTIMADOS LEITORES

.......,,,....UM FELIZ NATAL!


terça-feira, 13 de dezembro de 2011

PÁTRIA

Miniatura dum quadro do livro "As Cores do Poema".
Em exposição o quadro é no formato A 3, com passe-partout e moldura.
:

domingo, 4 de dezembro de 2011

AS CASAS (excerto)

Foi apresentado o livro "5 Poetas de Lagos", vol VI.
Eis um dos poemas da minha participação

.
As casas
.
Na cidade resvalamos pela lâmina dos dias
o contorno dos passeios antigos, as inscrições
do vento encurralado nos umbrais do tempo.
.
Aqui tecemos a teia da luz e da sombra
volúvel, da nossa obediência ao sol,
ao claro/escuro ágil clivagem duma nuvem,
ou a cirros de sono no lilás da tarde:
.
transitórios de corpos que são os nossos, hábeis
passageiros, limpos insectos de lábios trans-
lúcidos colados aos vitrais reflectidos para dentro,
onde roçam vestígios de amores idos
rasgados em sangue e esperma – versão a mais antiga
da pólvora/seta a mais veloz da ave,
submersos de pequenas minúsculas aranhas voando
ao indelével vento dum fio de seda,
a bafejar a pele do corpo antiquíssimo
desde o fumo mais imemorial
de todos os segredos da vida
.
trazidos no eco dos frutos do pólen que veio
de ainda além das montanhas e do mar,
talvez de ainda além donde as estrelas
disparam a cinza cadente na noite acesa
de luz e poeira
com que amassamos os olhos terríveis
dos deuses.
(...)
O poema todo aqui

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

CIDADE ANÓNIMA

Chego a esta cidade
despido de emoções
as mãos vazias
o olhar vago, sem referências.
.
Trago apenas uma pequena auréola de luz
a enfeitar o meu cabelo
pela desobediência aos ritmos
os cinzentos que leio nos ares.
.
Corpos estranhos desenham-se
na nudez das minhas veias
como o silêncio das águas
dum lago a rasar o azul
 .
É tarde para situar-me
na amálgama das ruas
 .
Só me resta uma nesga de sol
antes da noite que soa.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

POEMA AINDA

.
.....Poema ainda
.
........Ave e seta como a luz
........rasgando a bruma
.
........Lume sob a cinza
.
........Liberta asa
........que o arco ainda tenso
.
........abrasa
.
..............em "A Palavra em Duas", 1982, esgotado

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

MAIS NADA

.
Antes de morrer não vou dizer nada
porque nada iria servir para nada.
.
O que as outras pessoas querem que eu diga
já o disse.
.
O que os amigos querem que eu faça
já o fiz.
.
Só não lhes disse
que ao morrer não iria dizer ou fazer mais nada
porque não há nada mais ridículo
que dizer ou fazer o que quer que seja
ao morrer.
.
inédito

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

DIÓGENES



Quadro de Jean-Léon Gerome
.












- O que queres que eu te dei?
Alexandre, o Grande 
.
Só quero que não me tires
o que não me podes dar.
Tira-te da frente que me tiras o Sol.
Diógenes
 .
Nada tinhas,  nada querias,
a não ser a claridade dos céus azuis,
a sabedoria do estro primaveril das estrelas meridionais,
porque entendias na dispersão da luz, 
no rearranjo do recorte das imagens
a descrição duma planície de transparências.

Por isso é que procuravas em pleno dia,
à luz duma lanterna a luz dum homem,
a silhueta dos seus predicados, a excelência
fulgindo contra o escuro do próprio dia.

A tua ciência era a ciência abstracta
de repensar a pura existência,
o seu sentido lato,
como o pólen dispersando a vida
duma planta.

Pouco sabias do que outros sabiam
e isso não te importava
porque só querias o sol, o ar limpo.

Nada querias a não ser o que dava o dia,
o sol de Corinto e a liberdade de pensar a utopia
e o que nenhum Alexandre pode dar
a quem a tirou: a vida.
.
em "Dicionário de Citações", a publicar

domingo, 6 de novembro de 2011

O EVENTO

O Dr. Júlio Barroso, Presidente da Câmara Municipal de Lagos/
Wilson Cruz, de Porto Seguro, Brasil/ e eu


Ver reportagem  aqui 

domingo, 30 de outubro de 2011

NORA - ALGARVE ONTEM

.
É já no próximo sábado, dia 5, pelas 17 horas, que o meu mais recente livro "Algarve Ontem" será apresentado na Livraria Pátio das Letras, em Faro. A apresentação estará a cargo da Professora Maria Antónia Vargas. Sobre os aspectos histórico/etnográficos das fotografias (de antes da década de 60), que acompanham os poemas, dissertará o Dr. Brazão Gonçalves, que colaborou no livro, escrevendo essas notas sobre antigas actividades algarvias, agora extintas ou em vias de.
.
.
Era na cadência demorada duma roda de alcatruzes
engrenagem mourisca engendrada noutras mentes –
que descobríamos o sabor das tardes cálidas de Julho
a paz lenta e a bucólica placidez das hortas.
.
Os nossos olhos recobriam-se do verde azul dos milhos
o aroma do barro inundado pela água que brotava
do devaneio dum fauno, ou a frescura das laranjeiras
numa grinalda em flor para uma noiva anunciada.
,
Era nesses dias de intensa e mansa transparência
que nos iludíamos de eternidade sobre a terra,
no eterno retorno da água em seu ciclo de frescura
tingindo o nosso olhar da cor das nêsperas e morangos.
.
Era nesses dias de menino que nos detínhamos
no esplendor dos dias longos de idílios e desejos,
voando ao sabor das horas desprendidas, da inocência,
herdando o engenho da roda e da água gerando a luz.
-
VEJA TAMBÉM ESTE E-BOOK (feito  no Brasil), com poemas meus aqui

terça-feira, 25 de outubro de 2011

A FLOR SOBRE O PANO BRANCO

. .
A flor sobre o plano branco,
a palavra no meio doutras palavras brancas
de cores e chamas
 .
ou o fruto maduro entre a folhagem
verde
novo de sabores ignorados
 .
e aquelas mãos
o teu corpo de mulher entre as mulheres
o pano brando onde aprendo
a cor melhor das flores
e sabores.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

CELEBRAR A CASA

 .
Nunca é demais celebrar a casa,

o lugar onde mitigamos as nossas memórias,
a nossa simplicidade nas esperas.
 .
É o lugar para soletrar segredos à nossa própria impiedade,
num desespero secreto, alheio aos rumores que vêm
do mais fundo das trevas
onde mergulhamos a cabeça vigilante.
 .
Partimos dela para as lonjuras, a cisma e a ficção,
a utopia de estóicos logros.
 .
E recomeçamos pela madrugada
a contar os dias lestos que definham
no ar parado dos mistérios duradoiros,
na roupagem do silêncio e do enlevo
pelo infinito dum beijo prometido
.
em "Causas de Habituação", a publicar

domingo, 16 de outubro de 2011

SARAU DE POESIA EM BARÃO DE S. JOÃO


 .
Uma noite de Poesia com a participação especial de elementos do blog lagos
e de participantes na colecção "5 Poetas de Lagos".
Uma produção de Chico Lumière.

Pode ver aqui o poema que eu li


terça-feira, 11 de outubro de 2011

AS CORES DIZEM O TEMPO

.
As cores dizem o tempo,
o granizo que embranquece as arestas do granito,
o hortelã respirando pequenas flores de sabor a sul.
-
Ó a antiga sapiência das árvores
e dos caminhos
e da plenitude nas planícies de verdura!
-
Como não hei-de segredar o teu nome
ó bonina de incenso, em noites de paixão,
nos pântanos que parecem eternizar os teus segredos?
-
És o pólen e a cegueira
de espirais hipnóticas de paz e medo,
em águas nascentes de musgo e de frescura.
-
És a vertigem duns olhos feridos pelo orvalho
das manhãs, ao cair da tarde
.
e eu te invoco na busca dos limites
que fazem o fascínio, a vigília perturbada
do teu violoncelo  tocando ao vento.
...
-----em Poemas Soltos & Dispersos, 2º volume
. -----
       Veja também a nova postagem sobre "A Febre do Ouro"

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

POEMA A PIERRE CURIE


Poema a Pierre Curie   
.

Viveste entre a pecheblenda e os ácidos
entre os deleites de Maria e a ânsia
o frenesim activo dos metais.
 .
Buscavas os segredos da vida
feita mistério no coração duma pedra
muda quieta indecifrável
que vive de pequenos espasmos de energia
e brilha na escuridão dos séculos.
 .
O teu raciocínio era bom
trazia a justificação do ovo
o segredo mais íntimo das estrelas.
 .
Mas uma tarde partiste.
 .
Como toda a gente.
 .
Mas tu não partiste como toda a gente.
Morreste a pensar, a remoer o pensamento
a revolver a alma duma pedra.
 .
Por isso não morreste para sempre.
 .
Embora não contasses
que o distraído mecanismo duma roda
pudesse apagar nas estrelas,
o voo dum pássaro ao coração dum ovo.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

LAGAR DE AZEITE

.















.
.


                  POEMA EM LOUVOR DO AZEITE

Dizem do modesto ramo de oliveira a paz
e dizem-nos do seu ditoso fruto a luz
que iluminou as noites de reflexão dos gregos.

Só por isto eu teria de louvar o puro azeite,
este lugar eleito, este lagar de azeite
onde a prensa arrebatava a flor dos fluidos
que dão perfil e força às veias da memória.

Também nos dizem do primado do seu reino
de enfrentar o frio, a decrepitude, os rudes sóis
e nos proteger do estertor fatal da morte
graças à excelência dos seus ómega colestróis.

Mas mais que tudo pelo paladar, o gosto antigo
no bacalhau e noutros pratos celebrados,
na sardinha em lata como era nesse tempo,
na caldeirada, nas cavalas, nos charros alimados.
. 
No livro, a cada poema e fotografia corresponde uma nota histórico/etnográfica, 
de Brazão Gonçalves.
.
6 - LAGAR DE AZEITE  - Os antigos lagares eram movidos por tracção animal. 
Tal como a nora, eram também engenhos muito bem engenhados. 
Pesados troncos de cone em pedra eram accionados pela força de potentes bois. 
A azeitona massacrada até à medula, não dos ossos que os não tem, 
mas do caroço, lá ia gemendo e chorando as suas apreciadas lágrimas 
que haveriam de dar o rico e fino azeite para o prato 
e o menos fino e mais pobre para a candeia. 
A água ruça, ralé daquela viscosa sociedade, 
era desprezada como escória inútil e ia correr até aos ribeiros nos tempos puros 
em que nem chegavam a constituir poluição. Em tempos recuados 
e para aqueles cuja produção olivícola 
não bastava para utilizar os serviços do lagar da aldeia, 
o azeite chegava a ser produzido artesanalmente 
na própria casa do pequeno produtor, em pequenas lagaretas. 
Tal como acontece com as amendoeiras, e embora se trate de azeite e não de vinho,
também se pode dizer que é chão que já deu uvas.

em "Algarve Ontem", o meu último livro, recentemente publicado 
* No livro, as fotografias são a preto e branco.

domingo, 25 de setembro de 2011

Flores do Outono

 .
Agora vou reclinando o corpo
entre a terra e as estrelas.
.
O espaço é breve
para a brisa do mar
que ainda soa.
.
E no entanto,
adormeço
no meu sonho,
sereno de harmonias
.
incendiando o fino pó
da terra
com estas flores violentas,
...................exíguas, 
................do outono.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

AS VIBRAÇÕES DO AR

 ,
As vibrações do ar pronunciam a palavra  
num grito claro
de outras vozes, as nossas
-
que ressoam do interior de outros e de ontem
no seu próprio reverberar
.
como num rumor o silêncio audível
por cima do tempo breve que o prolonga
em muros persistentes
.
Mas dele se ouve apenas um eco
do interior processar das imagens
-
o nosso próprio reverberar de ecos
- processador de símbolos
.
inédito

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

POEMA A UM MENIR


.
A pedra ali está, sereníssima,
há anos hibernada sem desespero,
à espera duns olhos comovidos
com quem reinventar os mistérios
da respiração tranquila dos matos.
 .Nota histórica:
Estão contabilizados mais de uma centena de menires, no Algarve. A maior parte encontra-se no Barlavento, na região de Sagres, por terra, certamente deitados ao chão pela mão do homem. Muitos deles devem ter sido eregidos, no final do Neolítico Europeu, entre 3000 e 4000 antes de Cristo e são símbolos pagãos. O seu significado continua envolta nalgum mistério, mas crê-se que poderiam assinalar locais sagrados virados para o culto da fecundidade, já que parecem ter sido concebidos como formas fálicas.
 .

 em ALGARVE ONTEM - o meu mais recente livro 

*Outros menires    aqui 
* Grato também pela preciosa colaboração de F. Castelo, que também remete para o seguinte link, sobre o assunto: aqui