,

,

cinepoema longo

clicar youtube para écran inteiro

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

O TEMPO E O VENTO

 -
Eis o tempo.
Olha-o.
Tenta pôr-lhe a mão em cima.
.
Não!...
Nunca serás herói que nunca houve!
 .
O tempo é como o vento.
As nuvens
sou eu, és tu e são os outros;
não há vento que as não leve.
.
Já alguma vez
viste
a mesma nuvem duas vezes?
,
Já alguma vez
sentiste
o mesmo vento duas vezes?
 .
Não!
O vento é como o tempo.
As nuvens,
eu, tu e os outros...
não voltam.
 ,
O vento improvisa
o tempo também improvisa.
Um e outro
como as nuvens que levam
passam e já não voltam.
 .
Toda a coisa tem princípio.
 .
O vento
ao sol e à terra agradecido
é o menino perdido
de seu pai
o tempo.
 .
O tempo, que é o tempo?
Monstro de mil anos
chuva de erosão do universo;
o tempo
sopro frio ou quente
que tudo arrasta na corrente,
é o correr do berço à sepultura
é o olhar a espiga já madura.
 -
Todo o rio tem mar
toda a cidade tem cemitério
toda a verdade crua tem adultério.
 -
Eu, tu e os outros
somos a cidade flutuante
o rio que na descida ao mar vai ter
caminhando a passo para jusante.
-
O tempo é como o vento.
O vento,
átomos em movimento!
 ,