,

,

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

POEMA AO TEMPO

.....-----

O tempo são estas asas sem memória,

um pássaro morto. Folhas ao vento

que discorrem sobre um discurso raso,

uma reminiscência de sulcos na praia,

numa praia vazia, cheia de ecos do mar.

-

em "Por detrás das Palavras", ed Mic, 2002

.

90 comentários:

  1. Assim diz um poema de Mário Quintana:
    "Porque o tempo é uma invenção da morte:
    não o conhece a vida - a verdadeira -
    em que basta um momento de poesia
    para nos dar a eternidade inteira".
    Um abraço e boa semana

    ResponderEliminar
  2. Serão, com certeza, pedaços da nossa memória...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. ou seja, o sopro da nossa vontade ;o)

    beijos, querido

    MM.

    ResponderEliminar
  4. VIEIRA CALADO

    ...entrei pela primeira vez...
    descalça,
    para não acordar as tuas palavras.

    ...gostei
    e
    fiquei sentada a olhar para elas!

    jinhux létinha

    ResponderEliminar
  5. MARIA

    ...entrei,
    gostei
    e
    fiquei a visitar.

    jinhux létinha

    ResponderEliminar
  6. Fantástica coincidência! Não tem o mesmo título mas fala de vento e de tempo...e é como tu que me sinto e penso... Está no porti. Muitos beijos, Mestre.

    ResponderEliminar
  7. o tempo de meu tempo,

    a vida de meu tempo

    por quanto tempo ainda?

    bom dia,
    bela maneira de se começar o dia
    :)

    ResponderEliminar
  8. Meu Amigo,

    As Palavras são a força que expressa sabores e dissabores. Mas... a soberba maneira de se utilizar as mesmas, como estas que acabo de ler, deixam-me cheio e com a memória enriquecida.

    "cheia de ecos no mar"

    o som que encanta e nos enche.

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Ecos do mar.trazendo de volta,memórias de um tempo,passado,mas sempre presente,na memória,como um sulco deito na alma


    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Gostei muito da força das suas palavras.
    Ainda não li nem metade.
    Terei de continuar.

    Abracinhos

    ResponderEliminar
  11. Vieira calado
    Meu caro poeta, o tempo que apaga as memórias é o mesmo que as traz de volta no mar da nossa existência.

    Fico feliz por poder continuar a ler e sentir o que escreve..

    Abraço do Pj

    ResponderEliminar
  12. Ah! os ecos do mar...
    Gostei!

    Beijinhossssssssss

    ResponderEliminar
  13. O tempo são cada pedaço da memória que não conseguimos aproveitar.Abraço

    ResponderEliminar
  14. Que bom que descobri seus poemas, Vieira.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  15. Sábias palavras. Bela poesia.

    Beijos doces de sol e de lua.

    ResponderEliminar
  16. Sábias palavras amigo poeta.

    Beijos doces de sol e de lua.

    ResponderEliminar
  17. Vieira

    O tempo, sempre o tempo, a trazer-nos memórias que o próprio tempo apaga e traz.

    Um abraço.

    MV

    ResponderEliminar
  18. roda a Terra em volta do sol, cri-nos o tempo que não existe. Vorazmente querêmo-lo para nós mas entre as mãos o vazio

    ResponderEliminar
  19. Belíssimo, Mestre.
    A sabedoria das suas palavras são fonte de inspiração para quem vagueia por elas.
    Com carinho, um abraço

    ResponderEliminar
  20. Belo poema/pensamento.
    Gostei de o ler.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  21. ________________________________

    ...o tempo! Convenção que o homem criou e agora se debate entre suas paredes...

    Beijos de luz e o meu carinho!!!

    ___________________________________

    ResponderEliminar
  22. O tempo galga os ares, cavalga, vivo, asas de pássaro vivo .Ãcaso estará a falar da morte, da nossa morte, da eternidade?

    Tema recorrente, em si,VC

    Abraços da Astrid

    ResponderEliminar
  23. Olá primo,
    Como sempre um belo poema. Profundo como os ecos do mar...

    Bjss querido

    ResponderEliminar
  24. a nostalgia do tempo e da sua inevitável passagem. em belíssimas palavras.
    beijos

    ResponderEliminar
  25. Estas memórias do tempo,
    com folhas ao vento,
    possivelmente folhas secas
    e sem cor.
    Gostei imenso.

    Um abraço

    Alvaro Oliveira

    ResponderEliminar
  26. Caro poeta,
    e é nestas "asas sem memória" que a vida nos conduz a um tempo onde só restará a história!

    Adorei este poema!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  27. Adorava que nos libertassem das amarras do tempo!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  28. Tempo, essa condição necessária (alegremente (?) inevitável)

    Gostei de visitar o seu blog

    Saudações

    ResponderEliminar
  29. Amigo

    Palavras do saber... poético!

    O Tempo são...marés!

    Beijo com todo o carinho

    ResponderEliminar
  30. "(...) ecos do mar" fabolosos numa praia qualquer, numa estação qualquer...

    olá daqui para aí...

    teetee

    ResponderEliminar
  31. Ah! O tempo. Essa fera indomável!

    Abraços amigo poeta!

    ResponderEliminar
  32. O tempo que passou são como folhas ao vento, vão e voltam com nossos pensamentos, são reflexos de nossas ações que voltam em forma de recordações.
    Caro amigo, se me permites charmar-te assim, concordo com você. Para nós, brasileiros, que herdamos muitos costumes de Portugal, o nosso padroeiro do amor e dos casamentos é Santo Antônio. Também sou um pouco reticente ao costume que se está introduzindo no brasil, principalmente através das escolas da lingua inglesa em relação ao Haloweend. É uma festa típica dos dos americanos e que está cada vez mais se arraigando em nosso país. Respeito todas as tradições,mesmo porque aqui no Brasil somos um povo miscigenado e por isto mesmo temos muitos usos e costumes oriundos de outros países, mas isto está em nossa raiz. Já os ingleses e americanos não fazem parte de nossa formação enquanto povo. Abraço
    Angel

    ResponderEliminar
  33. Por detrás das palavras, os ecos da memória. Poema sem tempo.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  34. Definição do tempo, que parece deslizar pelo presente de nós...
    Acho que o tempo presente acaba por ser um entrelaçar de tempos.

    Um beijinho amigo *

    ResponderEliminar
  35. O tempo... eterno companheiro das horas, dos minutos e dos segundos...
    Tempo que não temos, tempo que queriamos pra nós...
    Mas enfim... O Tempo não passa de um vagabundo maltrapilho que percorre as nossas vidas e que faz com que nada seja verdadeiramente lembrado, vivido e de nossa pertença...

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  36. Como sempre sua inspiração vem da alma!

    ResponderEliminar
  37. E os ecos do mar só poderão trazer boas novas....
    Lindo!
    Jhs

    ResponderEliminar
  38. O tempo será sempre o que queremos enão queremos dele. O tempo é a vida que corre e pára...

    ResponderEliminar
  39. Vieira Calado

    É isso o tempo. Fabuloso este poema.


    Abraço

    ResponderEliminar
  40. Sulcos na praia à noite, em Luanda, fiz mais de mil, com um pau, corria pelo escuro na areia e o fósforo rebrilhava na noite e enchia minha alma de alegria...Foi o que essa poesia me trouxe, uma recordação dos tempos felizes da juventude!...

    Maria clarinda, junta-te a mim e vamos as duas com os nossos pauzinhos, correr pelo mar e por a areia a rebrilhar..Um beijinho aos dois..laura..

    ResponderEliminar
  41. Excelente, Vieira

    Um grande abraço para ti, amigo.

    ResponderEliminar
  42. Lindo poema!

    A memória tem asas e chega voando nos ecos do mar...

    Abraço amigo.

    ResponderEliminar
  43. O tempo... enche meu mar de recordações, onde a memória vagueia pelo tempo.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  44. QUERIDO VIEIRA CALADO... COMO SEMPRE UM SUBLIME POEMA... DO NOSSO POETA-MOR... ADOREI AMIGO!!!
    UM GRANDE ABRAÇO DE AMIZADE,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar
  45. Tempo de memórias sem memória.
    Tempo presente sustentado por ecos.

    Abraço

    ResponderEliminar
  46. O tempo sou eu!
    O tempo é você!
    O tempo existe enquanto existimos;enquanto podemos utilizá-lo;ganharmos tempo ;perdemos tempo;desfrutá-lo!O tempo são folhas ao vento;são sementes lançadas ou nascidas;são frutos ;gostos; desgosto...pra tudo há um tempo que começa e termina e há ainda o que nunca começou ou acabou e que se chama eternidade!
    Fiquei lisongeada que tenha se tornado seguidor do meu simples e humilde blog!Admiro seus pensamentos ;seus versos ;suas poesias e a objetividade com que escreves recheado de beleza e sensibilidade!Obrigada e parabéns!

    ResponderEliminar
  47. O tempo é este... o de chegar aqui. Sempre. Porque gosto tanto das palavras ditas por si.

    Um beijo de boa noite.

    ResponderEliminar
  48. A memória com ecos de mar. O tempo...
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  49. Vieira

    Deixei, com muito carinho, na "lapela" do meu blogue um selo para si.

    Beijinho

    MV

    ResponderEliminar
  50. O tempo é algo que nós não tocamos mas que passamos.
    E nesse tempo vivemos, voamos ,sofremos, amamos.....
    Abraço
    Isabel

    ResponderEliminar
  51. O tempo é algo que nós não tocamos mas que passamos.
    E nesse tempo vivemos, voamos ,sofremos, amamos.....
    Abraço
    Isabel

    ResponderEliminar
  52. O Tempo esse grande escultor. Marguerite Youcenar

    abraço

    ResponderEliminar
  53. O tempo, um pássaro morto?
    O tempo é a coisa mais dinâmica; mesmo o passado não é morto, são memórias.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  54. Poeta!
    Gosto da tua escrita, do que sentes e como escreves estes sentimentos mas, há algumas poesias tuas que.... nem sei o que dizer, colam-se à minha alma!
    .. já irei colocar este momento especial no Traduzir-se.. permites-me sim?!
    beijos

    ResponderEliminar
  55. Já la está e com uma palavrinha minha...
    obrigada e beijos poeta!

    ResponderEliminar
  56. Viera Calado

    A habituação á bela poesia, não evita as estações climatéricas, como o poeta não evitou o efeito.
    Daniel

    ResponderEliminar
  57. Que belo, como tudo que voc~e produz!

    Parabéns1


    bjus.

    Elaine Siderlí.

    ResponderEliminar
  58. Que definição mais perfeita do tempo! Esse que passa mais rapido que tudo, e que as vezes passa vazio, pq nós não o aproveitamos.

    =) ah, obrigada pela visita querido!
    adorei o comentário.
    Eu disse no blog da Elaine que visitaria aqui. haha.
    Foi uma surpresa te "ver" por lá... no meu querido blog.

    passe mais vezes.
    Coloquei seu link lá.
    Beijos, Van.

    ResponderEliminar
  59. O voo do tempo a fazer nascer poesia com ecos do mar.
    Belo poema.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  60. UMA SURPRESA:

    QUEM
    QUISER
    VER
    MAIS FOTOS DA MINHA EXPOSIÇÃO
    PODERÁ
    IR A ESTE BLOG:

    http://nunoalexsousa.blogspot.com/

    ACONSELHO VIVAMENTE.

    O MEU "PADRINHO"
    fez-me uma surpresa
    e um miminho,
    em vir à Moita ver a exposição e fotografá-la.

    Bom fim de semana.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  61. Às vezes é bom que o tempo não tenha memória!
    Mais belo poema que divides connosco.
    Bom fim de semana.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  62. O tempo é o deus que nos liberta ou nos mantém, igualando instante e eternidade na medida da nossa escassa capacidade de percepção. É, de facto, tudo e nada, essa coisa coisa assombrosa que os cientistas discutem mas só os poetas podem ligeiramente alcançar. Como aqui, acrescento.

    ResponderEliminar
  63. Passei com TEMPO e gostei do TEMPO que aqui passei, como sempre.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  64. O Tempo tudo traga.
    Somos simples átomos com que se diverte.

    ResponderEliminar
  65. Dizem que o Tempo apaga a memória...
    Ainda estou à espera!

    Abraço

    ResponderEliminar
  66. Bela imagem para o Tempo, da memória do passado à vivência do presente.

    Bom fim de semana
    Um abraço
    Esperança

    ResponderEliminar
  67. Aqui, directo das asas e do mar desejo um bom domingo.

    Convido para nova leitura no Angel Bar.

    ResponderEliminar
  68. Caro amigo V. Calado;
    E quantas memórias o tempo se encarrega de riscar e na areia do mar as enterrar, até que todas as memórias da Enciclopédia de Vida façam parte da Biblioteca do Esquecimento...
    Um abraço, amigo Vieira Calado.
    Osvaldo

    ResponderEliminar
  69. sim, e esses ecos são tantas vezes a minha única companhia...

    É com muito agrado que por aqui me detenho!

    Votos de uma excelente semana.

    ResponderEliminar
  70. O tempo
    paradigma
    na cicatriz da memória

    o banquete
    dos naufrágios

    quando ainda gemem

    as marés

    .

    bela definição Vieira Calado

    um beijo

    ResponderEliminar
  71. Um beijinho, um sorriso e um abraço da prima laura...

    ResponderEliminar
  72. Um tempo parado?
    Um tempo passado?
    Um tempo falado...
    duas vezes gozado

    :)))

    ResponderEliminar
  73. Olá. Passei para o avisar que tenho dois premios para si no meu blog.

    Cumprimentos

    Lidia

    ResponderEliminar
  74. V.Calado,
    gostei tanto deste seu 'tempo'!,

    desculpe o atrevimento, deixo-lhe o 'meu' que já conhece...
    'SOMOS

    ainda com o espanto inicial
    nos aquietamos serenos, ou não
    no escorrer dos dias
    o tempo não tem idade
    avança inexorável e só
    passa os dedos na nossa pele
    em afagos doces ou mordazes
    deixando marca
    somos pedaços de pedra poema
    texturas inacabadas
    movimentos imperceptíveis do ser
    sensações de acordes em harmonia
    fantasiando realidades
    realizando fantasias
    em vastidões de anseios
    e perguntando ao tempo
    se nos quer por companhia
    ele, sorrindo avança inexorável e só'

    boa semana
    um sorriso :) e um ...'até já'
    mariam

    ResponderEliminar
  75. Ah. o tempo!...
    O senhor da razão, o senhor da verdade... Descreveu-o lindamente!

    ResponderEliminar
  76. E nós estamos sempre tentando reviver esse pássaro.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  77. Que forma tão bonita,sensível e inteligente de mostrar o pio da cotovia, aquela voz que nos grita à consciência, quando todos se calam e o barulho de nós nos invade.

    ResponderEliminar
  78. Levo este para o salp!car-te... gosto mto


    beijinhos

    ResponderEliminar
  79. Tão lindo este poema...
    Gostei mesmo muito.

    ResponderEliminar
  80. Oi, amigo! Passei aqui pra retribuir a visita e gostei do que vi! Belo o teu espaço! Vou estar ausente por alguns dias... Em breve volto por aqui! Abraço!!

    ResponderEliminar
  81. O tempo, Vieira, o tempo, que tempo é esse que nos resta, que vida é essa que nos faz deixar de querer e de saber pensar, que tempo é este que não tem tempo,penso partir, mas dou noticias, obrigada pelo carinho.
    Beijinhos
    Liliana

    ResponderEliminar
  82. O tempo: eterna discussão sobre um fantasma.
    Vim agradecer a visita ao meu canto e aproveitei para pairar sobre este belo blog
    Parabéns.

    ResponderEliminar
  83. E ainda assim, relativo. Bela reflexão, prezado amigo.
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  84. amo teus poemas, as esse mexeu fundo comigo.
    passei a ser seguidora fiel do teu blog. heheeeee

    abraços.
    até breve!

    ResponderEliminar