,

,

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

POEMA EM NOVEMBRO


 .
Era Novembro e chovia na cidade.
              .             
Pairava um halo sobre as casas
um fastio dulcíssimo nos corpos.
 .
Soavam fogos de harmonias
que falavam de outras eras
doutros sonhos, doutras águas
  .      
palavras que traziam novelos de palavras, 
murmúrios, comércio de pequenas alegrias
que acendiam memórias doutros gestos
 .                 
e uma flauta que ardia nos teus olhos
a melancolia esdrúxula de meus dias.
 .
 Em "Causas de Habituação", a publicar

61 comentários:

  1. Palavras e sonhos...

    Viva novembro!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Simplesmente excelente.
    Este poema retrata o Novembro na cidade tal qual como eu o sinto.
    Vou tentar traduzi-lo, embora eu ùltimamente ande muito "dispersa".

    Volto!

    ResponderEliminar
  3. Querido amigo, lindo novembro, doce novembro. Em Portugal agora é outono a estação de mudança de cores. As árvores despindo-se de suas lindas folhas. Lindo poema. Beijocas

    ResponderEliminar
  4. Posso dizer meu Caro que chuvas de palavras, esdrúxulas ou dulcíssimas, fariam bem aos sonhos de flautas, as melodias que cantam os corações, seria mesmo uma chuva de alegria nos "meus dias", como sempre teus poemas dão motivos pra sonhar em qualquer mês, dois novembros já celebro, beijinhos no coração do poeta. (um dia disse o Pessoa ser mentira... mas o coração da poesias diz verdade).

    ResponderEliminar
  5. Muito bem, lindo e alegre murmuro te seja dito, acho que numa tarde chuvosa de novembro, propícia ao amor, belíssima, beijinhos poeta Calado.

    ResponderEliminar
  6. Seus poemas são bons em qualquer época do ano, já estou a espera de dezembro....
    Um abraço! Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  7. Meu querido Poeta

    Nostalgia...saudade de quem fomos.

    beijo
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  8. melancolia de meus dias... ai... ela. Linda e cruel.
    Amigo, o circo. É, acaba que vira circo. De palhaços tristes que não se cansam de sorrir! ;)
    Abraço!
    E vamos confiar na vida!

    ResponderEliminar
  9. Tempo de começar a recolher, de ir para dentro de si. Tempo de melancolia, de recordação.
    Lindo poema
    Beijos

    ResponderEliminar
  10. simplesmente fantastico

    gosto um pouquinho mais de novembro por causa disto

    Beijos
    Paula

    ResponderEliminar
  11. E não é que esse Novembro se tornou muito belo?!
    Beijo.
    isa.

    ResponderEliminar
  12. toque uma doce canção em meus olhos..

    bjs.Sol

    ResponderEliminar
  13. Agora passo apenas para lhe dizer que vai haver algo para si no "ematejoca azul".
    Passe por lá, por favor, mas SÓ amanhã!!!

    Abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  14. Caríssimo Poeta Calado, é uma honra estar entre teus seguidores, ainda mais por seres um figura significativa no meio, agradeço a visita; Tenha um agradável fim de semana, e volta a ressaltar a beleza das tuas emoções, beijinhos com minhas essências.

    ResponderEliminar
  15. Ahhh que maravilha este poema, é como um embalo que nos transporta pelo mundo mágico das palavras e dos poetas.
    Amei!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  16. Pois sim, esta tudo bom pra novembro...entre canções emoções... que chegue logo o natal pra esfriá.

    ResponderEliminar
  17. Que belo presente para começarmos bem este Novembro... único como são unicos seus belos versos...
    Doce final de semana...beijos...
    Valéria

    ResponderEliminar
  18. Que belo novembro onde coisas maravilhosas acontecem.
    Lindo este poema que sempre poderá acontecer na ternura de tantos outros meses.
    Abraço

    ResponderEliminar
  19. Neste Novembro foi-nos interdito sonhar!
    Abraço

    ResponderEliminar
  20. *
    um belo poema,
    para não variar !
    ,
    abraço,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  21. belo o poema. todo...

    os últimos versos vão prevalecer na minha memória.

    abraço, Poeta. que és. enorme!

    ResponderEliminar
  22. Quer dizer que: bastou mesmo um olhar correspondido... Adorei.

    Beijos Vieira e bom final de semana,

    ResponderEliminar
  23. Fantástico, Vieira!

    fogos de harmonias...novelos de palavras....

    Preciso de uma melancolia assim!

    Beijos, poeta!

    Mirze

    ResponderEliminar
  24. Que lindo! Que tantos outros novembros possam ser assim. Como uma doce lembrança. Ótimo final de semana, beeejo.

    ResponderEliminar
  25. Olá, amiguinho!
    Belo poema e pertinente!
    Beijinhos
    Ceiça

    ResponderEliminar
  26. Soavam fogos de harmonias
    que falavam de outras eras
    doutros sonhos, doutras águas

    Copiei estes versos que mais me tocaram pela beleza e profundidade. Parabéns.
    Que as musas e as brisas do mar te soprem a chuva de muitos versos com esta delicadeza.

    Obrigado pela visita ao lidacoelho

    ResponderEliminar
  27. O Prémio Dardos está ao teu dispor no ematejoca azul, meu caro amigo!

    ResponderEliminar
  28. que belo Novembro...que te traga sempre a inspiraçao para voltares a escrever poemas tão bons como este.

    e a melancolia é os sons de uma flauta que arde nos teus olhos....

    um beij

    ResponderEliminar
  29. Palavras de Outono que se encostam à alma.

    Gostei


    Jito da chinha

    ResponderEliminar
  30. Tenho que dizer-lhe:estes seus últimos poemas são melhores que todos!
    Bjs

    ResponderEliminar
  31. Que lindo poema, amigo Vieira!
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  32. Novembro introspectivo.Lindo!abraços,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  33. Olá poeta
    Obrigado pela visita
    Tenha uma linda semana
    Grande abraço

    ResponderEliminar
  34. Só em Novembro em Lisboa, o Céu à noite tem uma cor de azul metálico.
    Um poema muito belo.
    Bem-haja
    Mer

    ResponderEliminar
  35. Amigo Vieira Calado, grande Poeta
    Como já nos habituou, sempre belos poemas.

    Nunca me lembraria de escrever este verso:..."e uma flauta que ardia nos teus olhos"...

    Hoje amanheceu um dia melancólico pelo que a chuva produz...embora ainda não chova, mas olhando o céu a quantidade de nuvens que pairam no ar, faz adivinhar que em breve virá a chuva...

    Bom domingo.
    Fica um abraço apertado.

    ResponderEliminar
  36. Olá Poeta, Novembro ficou absolutamente lisonjeado com este poema.

    Um beijo e óptima semana

    ResponderEliminar
  37. Obrigada pela visita e pelo comentário. Deixou-me um ponto de interrogação na cabeça acerca de lampiões e suas derivações possíveis. Mas não cheguei a lado nenhum. Acho que precisarei da sua providencial ajuda para "iluminar" esta questão.:)

    Dou-lhe os meus parabéns pelos poemas. O título da próxima colectânea é muito curioso e digno de atenção - "Causas de Habituação": também daria mote para derivações várias...

    Bom resto de Domingo!

    ResponderEliminar
  38. Olá, lindo domingo, com dourado sol, lendo essa linda poesia, até esqueço que novembro do outro lado do mundo é nublado.
    Mas vim deixar um abraço, com calor do meu sol, quente como meu coração, desejando uma semana de luz.

    Beijinhos.


    Bom domingo, abraço.

    Provérbio 16- 1,2,3.


    Do homem são as preparações do coração, mas do SENHOR a resposta da língua.

    Todos os caminhos do homem são puros aos seus olhos, mas o SENHOR pesa o espírito.

    Confia ao SENHOR as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos

    ResponderEliminar
  39. Mais palavras lindas!
    Gostei da melancolia de forma vivaz e da harmonia das saudades.
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  40. No meu Doce Novembro (talvez um dia explique porquê) este poema foi um complemento de tantas recordações e de tantas palavras que foram ditas...
    Belissimo...como sempre.
    Um bj e boa semana.
    Graça

    ResponderEliminar
  41. Olá caro amigo,
    Vamos iniciar a palavra amigo?...
    Agradeço a sua visita ao meu blogue. O seu rosto não me era desconhecido e fui ver aos meus seguidores e lá estava, passou-me vir aqui para o seguir também!
    Gostei muito do poema:

    e uma flauta que ardia nos teus olhos
    a melancolia esdrúxula de meus dias.

    Muito emocional esta imagem!

    Bj,
    Manuela

    ResponderEliminar
  42. Apesar das agruras de alguns "novembros" este teu parece belo e esperançoso. Beijos.

    ResponderEliminar
  43. Achei lindo , imenso, sublime!
    novembro!
    gosto do mês , melhor assim em suas palavras
    abraços mestre das letras

    ResponderEliminar
  44. Também chove na minha cidade, e a sua poesia, especialmente bela e bem construída é uma cálida brisa de palavras que dá alento, àquela que também é melacolia esdrúxula dos meus dias..

    Um beijinho de profunda gratidão.

    ResponderEliminar
  45. Um Novembro em melancolia
    pela flauta que ardia
    nos teus olhos de poesia...

    e aqui na cidade também chovia...

    Gostei!

    Beijinho de carinho que seja Janeiro
    Dezembro ou Novembro sempre me lembro
    :))

    ResponderEliminar
  46. essa flauta não era mágica! nem era o pedro que tocava...
    é só outono...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  47. É um mês de boas surpresas...como este poema...

    Um abraço!

    ResponderEliminar
  48. Olá amigo Poeta!

    Novembro em poesia pura e bela.
    Parabéns

    ResponderEliminar
  49. Ola caro amigo Poeta...

    Como sempre aqui tudo lindo...
    seus poemas são cativante!

    Beijos da rosa amiga com carinho de sempre
    Iana!!!

    ResponderEliminar
  50. Pois cá estou eu "espevitada"(sigo sempre bons conselhos) e pronta para apreciar mais um valioso expressar da sua alma plena de sentimento poético.
    Novembro; com todo o encanto das suas cores ocres e beleza outonal, tinha mesmo de ser a fonte inspiradora que fez nascer este precioso poema.
    Parabéns
    Beijo e obrigada pelo "abanão"!!

    ResponderEliminar
  51. Poeta querido! Nossa, que poema mais lindo. Com sua poesia o outono é um sonho. Beijo

    ResponderEliminar
  52. Muito belo!
    A chuva tem efeitos assim...

    Bjos

    ResponderEliminar
  53. Um Novembro nostálgico a povoar peito. Muito bonito.

    Um beijo de admiração

    ResponderEliminar
  54. Ninguém está livre de recordar o passado, querendo o não, acabamos acumulando as experiência que vivemos, então que tenhamos que recordar boas lembranças...

    Fique com Deus, menino Vieira Calado.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  55. Poeta Vieira Calado,
    Muito belo o seu poema.
    "Chovia na cidade" e como nestes dias, como hoje também, as memórias são nossas companheiras.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar