,

,

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

REPOSIÇÃO

.

Uma casa em pedra

.

Uma casa em pedra é um lugar onde se fabricam

os utensílios mais fraternos, talvez o lugar próprio

para descobrir a nossa vocação para plantar lírios

à beira das veredas, no caminho interior do lar.

.

Nela se redescobre a teimosa mão do poder das cinzas

à lareira, um jarro de água sobre a mesa, o pão amassado

na véspera, ante o alvoroço anónimo das crianças

ao odor das leveduras ainda frescas, transfiguradas.

.

Dentro das pedras se erguem as vozes vindas da planície

como se viessem da própria casa, do mais íntimo da terra,

misturando-se o apelo das águas e as narrativas

de animais nocturnos, obscuros, na fronte das montanhas.

.

E é daí que se lê a premonição das estrelas circundando

o destino de ervas e bichos que se fundem aos processos

por onde o vento soa, geométrico, um tempo sem data,

uma verdadeira abstracção de objectos nus, imaginários.

e
Agora veja aqui como a amiga Eliane do blog ,

compôs o poema em formato pps

(clicar para ver, ler e ouvir a composição).


66 comentários:

  1. Calado

    Afortunada sensibilidade que tão bem descreve o que realmente se sente numa casa de pedra.
    Tudo isso eu também sinto, vejo e toco nas casas de pedra que fazem parte da minha vida.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Linda poesia e a apresentação também, só que, quando abri a apresentação está em PPT, eu transformei pra mim, em PPS...Linda demais!
    Abraços...
    Posso repassar para os meus amigos?

    ResponderEliminar
  3. Saudades de vc, querido!
    Belo poema.Como sempre adoro.
    Bjs de cá.

    ResponderEliminar
  4. como sempre uma festa para o sentimentos

    o pps esta girissimo

    Joaks
    Paula

    ResponderEliminar
  5. Felizes os que podem ter uma casa em pedra!
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  6. VIEIRA CALADO: "VEJO" e SINTO... CESÁRIO VERDE, na temática, na forma parnasianista, nas Sinestesias...EMBORA O SUJEITO POÉTICO PAREÇA AFASTADO DE TUDO, NÂO A VIVER MAS A OBSERVAR...
    ABRAÇO DE LUSIBERO

    ResponderEliminar
  7. Grande poema, oh amigo Vieira!
    Gostei. Boa noite e um abraco para Lagos

    ResponderEliminar
  8. Linda apresentação em pps,maravilhoso trabalho!
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Uma casa de pedra é isso mesmo...ninguém poderia defini-lo melhor que o meu amigo poeta.
    beijo

    ResponderEliminar
  10. sublime! perfeito! incontestavel!
    consegui ate sentir cheiros: do pão ,do vinho,da flor! se havia estrela no céu eu não sei,estava muito ocupada te vendo brilhar!
    hoje muitos xeros brasileiros
    flores? te envio
    depois.

    ResponderEliminar
  11. O poema é lindo e o trabalho de Eliane o deixou fantástico.
    Parabéns aos dois.

    ResponderEliminar
  12. Aquela sensação de gelo, que a pedra transmite, não a sinto ao ler esta poesia.
    Gostei imenso.

    Um beijinho amigo *

    ResponderEliminar
  13. Acabei de ler o teu livro. Uma maravilha! Acredito que vai ser um autêntico sucesso. Um destes dis na minha página "Os meus poetas" dás-me licença que edite um dos teus poemas??
    Grata. um beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  14. O poema é belíssimo por si só, mas com esta apresentação da Elaine ficou soberbo!
    abraço

    ResponderEliminar
  15. lindo, lindíssimo o poema e a composição!
    meu amigo, já lá está, sem grandes "trabalhos", fiz o que sei!...
    espero que esteja bem, simplesmente!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Isso me fez lembrar quando Leonardo Boff fala do planeta, pela grandiosidade que é, como se estivéssemos dentro de casa, pela amabilidade e delicadeza a cada palavra pronunciada, como aqui senti ao ler palavra a palavra, do micro ao macro me transportei.
    No final pensei, Calado vc esta falando de minha morada, a Terra

    Bjs

    ResponderEliminar
  17. "Plantar lírios à beira das veredas"... Se todos pudéssemos...
    Abç

    ResponderEliminar
  18. Que maravilhoso poema!
    Uma casa de pedra..."talvez o lugar próprio para descobrir a nossa vocação para plantar lírios
    à beira das veredas".."Uma casa em pedra é um lugar onde se fabricam os utensílios mais fraternos"...Uma casa plantada bem longe de todo o caos da nossa vida atribulada, corrida e perigosa.

    Abração Mestre!

    ResponderEliminar
  19. Olá Poeta!
    Em todas as casa de pedra sempre tem algo que nos prende,quanto mais este belo poema.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  20. Já cá tenho uns quantos para ler em papel!
    :-)
    Obrigada.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  21. coração acarinhado.\0/.

    ResponderEliminar
  22. Olá poeta!

    Interessante, intrigante e bem escrito.

    Abçs
    Adriana

    ResponderEliminar
  23. Olá Vieira Calado,
    Poema liiiindo!!!!!!! PPs maravilhosa.
    Passar por aqui é lavar a alma

    ResponderEliminar
  24. O poema que já conhecia é muito bonito, mas a apresentação em pps ainda ficou mais bonito, já que a autora escolheu imagens belíssimas e que traduzem o sentido das palavras.
    E então fica bonita a praça do infante que vai ser inaugurada amanhã?
    Um abraço

    ResponderEliminar
  25. Lidíssimo e de tal maneira forte que conseguimos estar lá , na casa de pedra .

    Beijo

    ResponderEliminar
  26. belissimo poema
    Não o senti como no pps mas isso não retira beleza igual ao pps

    Abraço aos 2

    ResponderEliminar
  27. Cheguei aqui através do blog da Stella.

    Bonitos poemas! Parabéns pelo blog.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  28. Pessoal...forte...para pensar! Abraço

    ResponderEliminar
  29. Sensibilidade nas palavras, perfumo nas quadras e ritmo na leitura do poema.

    Amigo, como sempre, um belo momento aqui encontro.

    Um abraço
    Luis

    ResponderEliminar
  30. Parece a casa da minha avó paterna!
    Essa casa também era um poema...

    Abraço

    ResponderEliminar
  31. Agradeço por passar pelo meu blog, não somente pelo comentário, mas especialmente por me conceder a oportunidade de conhecer o teu! lindo!
    já sou sua seguidora..
    abraços

    ResponderEliminar
  32. BELA CRIAÇÃO FRÁSICA...A CASA ,O LUGAR SAGRADO DA FAMÍLIA

    BJO

    ResponderEliminar
  33. Bela montagem de fotos que completam as palavras do tema.

    O ser humano gosta de se sentir protegido das "agressões" sejam elas quais forem, ou venham lá de onde vierem...Uma casa de pedra faz-nos sentir essa protecção. Estarmos simultâneamente em contacto com elementos naturais, a própria pedra talhada.
    Por muito humilde que seja, sente-se uma protecção diferente, de qualquer outro material de construção utilizado.

    Forte abraço
    Bom fds.
    Mer

    ResponderEliminar
  34. Belíssimo poema q fez sentir-me em casa, e em pps ficou magnífico,
    parabéns!
    Obrigada pela visita em meu cantinho(blog)...
    Adorei o seu, e com certeza virei sempre lhe visitar aqui!!!
    Um ótimo FDS ... bjsssss!!!

    ResponderEliminar
  35. Amigo Vieira Calado,

    Se belo é o poema, o pps está fabuloso... e a ruralidade encanta-me.
    Obra de artistas, meu caro amigo.
    Parabéns.

    Tem um bom fim de semana

    Um abraço

    ResponderEliminar
  36. Maravilhoso, Vieira!

    Vi o PPS e sempre imaginei que em algum lugar do mundo poderia existir um cantinho=pedra se confrontando com o etéreo e transmutando em verdade pura a simplicidade da vida!

    Parabéns, Poeta!

    Beijos

    Mirse

    ResponderEliminar
  37. Belíssimo poema e complementado com excelentes fotos, com muita sintonia.
    Beijos estrelados

    ResponderEliminar
  38. Poema e pps maravilhosos! Gostei muito

    ResponderEliminar
  39. Amigo, peço desculpa por não ter estado no lançamento do livro em Faro. Afazeres inadiáveis impediram que isso acontecesse.
    Irei comprá-lo muito em breve.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  40. Tenho que ir aí para ler também a premonição das estrelas... a ver o que o meu futuro, nesta confusa vida que levo, me irá trazer...

    ResponderEliminar
  41. Grande Poeta,
    Um poema que nos entra pela alma dentro e nos faz recordar os cheiros do tempo da infância que se vai distanciando.
    O PPS está magnífico. Parabéns a Eliane.
    Perfeita conjugação.
    Lindo.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  42. uma casa de pedra que nos atravessa de afectos
    tão íntima como os segredos da água
    tão uterina como o ventre da terra.

    ____

    um beijo Vieira Calado.

    ResponderEliminar
  43. Soberbo. Maravilhoso. Parabéns ao poeta e à sua amiga Eliane.

    Um abraço


    Carmo

    ResponderEliminar
  44. Uma poesia em quase-prosa rematada por um final maravilhoso.

    ResponderEliminar
  45. Amigo Calado,

    Como eu gostava de ter no campo uma casa feita de pedra. É um sonho antigo.
    Obrigada pela visita ao meu blog- Foi uma bela surpresa. Venha mais vezes.

    Abraço
    Mara

    ResponderEliminar
  46. Essa premonição que as estrelas circundam, diz-me muito. É sempre um prazer ler-te...
    Bjs
    Chris

    ResponderEliminar
  47. Amigo Calado

    Eu, Cata-vento, também sou a Sophiamar. Percebes agora? Sabes como enviar-me o livro.

    Beijinhos

    Bem-hajas!

    ResponderEliminar
  48. ...

    Todas as casas de pedras têm o perfume da vida

    ...e entre esse perfume

    se agita teu poema.
    ___

    Prazer..:-)


    (a)braços,flores,girassóis.

    ResponderEliminar
  49. poeta te amo com pedras. te amo sem pedras.tb com flores.com muitas estrelas.algumas delas vc fez surgi em meu céu. beijão.

    ResponderEliminar
  50. Deu conta do meu depósito do livro? Obrigada.
    Um beijo e bom fds
    Graça

    ResponderEliminar
  51. Olá Poeta Vieira Calado!

    Quando vejo uma casa de pedra, logo começo a pensar tudo aquilo que ela poderia contar de falasse, e tu transmitiste isso de uma forma que adorei.

    E o PPS da Eliane a ilustrar o teu poema está lindo, lindo e lindo.

    Simplesmente Adorei

    Bjinhos

    Céci

    ResponderEliminar
  52. É sempre bonito vir aqui ler o que escreve.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  53. Ambiente que a memória arquivou e que fizeste reverdecer.

    Abraços

    ResponderEliminar
  54. O poema,belíssimo, já o conhecia.
    Gostei de o ver associado às imagens!
    Parabéns aos dois!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  55. Uma casa em pedra,uma lareira,pão amassado,crianças,planície,o aconchego familiar,a união,que se pode querer mais,é o paraíso.

    Boa semana.

    ResponderEliminar
  56. fizestes reviver cheiros de antigamente...
    dantes era outra vida, outros habitos...

    Beijos

    ResponderEliminar
  57. Bom dia
    Agradeço a tua visita. É maravilhoso saber que nos lêem e que o que escrevemos trás uma mensagem.
    Gostei de vir aqui ao teu canto. De astronomia não me entendo e andei à procura onde nos entendêssemos os dois com a mesma linguagem.
    As imagens do poema dão várias construções poéticas e ainda nos trazem recordações antigas.
    Desejo que as estrelas continuem nos alumiando neste céu azul onde vivemos, amamos e sofremos.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  58. gostei de ler, a sua fluência poética fez-me sentir nesta «casa em pedra», com seus objectos, suas vivências.

    abraço.

    ResponderEliminar
  59. Beleza, Vieira!

    'Eu quero uma casa no campo
    Onde eu possa ficar no tamanho da paz
    E tenha somente a certeza
    Dos limites do corpo e nada mais'.

    Imagine essa sua casa de pedra, trazendo recordações de ontem num aconchego de hoje!

    Bjs, amigo.
    Tais luso

    ResponderEliminar
  60. o fermento

    da

    campina



    [geo.grafia
    da união]



    *abraço*

    ResponderEliminar
  61. Ao poema bordou-se a imagem num dueto
    magnifico de sentidos.
    Lindo, lindo.
    Grata pela partilha.
    Bj.

    ResponderEliminar
  62. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar