,

,

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

A NOSSA CASA

.

A nossa casa é um lugar ao vento, mas buscamos

o absoluto, a bárbara verdade duma onda sobre a praia.

.

Tudo nos pertence porque guardamos na memória

os restos do apego às coisas que tivemos, os gestos

de gratidão que vimos no coração dos dias violentos.

.

Esta época não é a nossa. Subverte os conceitos

do ânimo, os desígnios legítimos de plenitude.

.

Mas por isso ainda somos a centelha que arde devagar

na paisagem estreita de árvores estóicas, em momentos

de tempestade, na consciência das opções sublevadas.

.

em "Transparências", ed. AJEA

81 comentários:

  1. É um poema lindíssimo!
    Já me habituei a esta qualidade literária,por isso tenho que passar por cá,sempre.
    Bj

    ResponderEliminar
  2. Existe um lugar melhor do que a nossa casa?
    Parabéns por mais um belo poema.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Vitorino Nemésio... Arnaldo Antunes... alguns mais certamente... eu própria com palavras poema à casa, à minha/nossa casa porque a casa se quer partilhada.

    ... abrigo é o que é... de todas as tempestades. É preciso que nos sintamos assim "dentro" dela. Protegidos.

    Um beijo Vieira Calado.

    ResponderEliminar
  4. Obrigada pelos poemas sempre de dentro dos sentidos...

    ResponderEliminar
  5. A época não é nossa? Eu penso que todas são... Temos é de contrariar o rumo da vida, tor~´a-la mais humana.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  6. Bom dia Amigo!

    "Tudo nos pertence porque guardamos na memória
    os restos do apego às coisas que tivemos, os gestos
    de gratidão que vimos no coração dos dias violentos."

    Um doce poema à tempestade :))

    É bom ler-te.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. lindíssimo! é onde nos sentimos bem, mas ao pé do mar... como aí!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Vamos habitando lugares e tempos por onde a vida vai passando...

    Gosto muito desta poesia.


    Desejo-lhe um bom fim de semana.
    Deixo beijinhos * *

    ResponderEliminar
  9. A nossa casa.
    Lugar onde a vida acontece.
    Mas quantas vezes, lugar sem chão, em terra de ninguém.

    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Desculpe a ausência, devida ao circunstancionalismo dos períodos de reflexão.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  11. isso. a nossa casa é aonde o coração nos prende.:-)

    ResponderEliminar
  12. Lar, doce lar.

    Gosto imenso de viajar mas confesso que ficou sempre feliz de re-encontrar a minha casa, as minhas coisas, as minhas marcas.

    O teu texto é muito lindo, como sempre, amigo Vieira !

    Beijinhos verdinhos

    Verdinha

    ResponderEliminar
  13. Lindo, Poeta.

    Um beijo para o fim de semana.

    ResponderEliminar
  14. "Ainda somos a centelha que arde devagar"...Quantas e quantas vezes?
    Deixo-te um beijo e votos de bom fds Graça

    ResponderEliminar
  15. Buscamos tudo o que julgamos essencial...

    ResponderEliminar
  16. Alma inquieta sem tempo nem lugar
    Obrigado pela visita

    ResponderEliminar
  17. Lindo poema!
    Beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  18. A estética e o fascínio de braço dado!
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  19. É o nosso Abrigo.
    A nossa Canoa.
    O nosso Mundo.
    O nosso Berço.
    O nosso Céu.
    A nossa Lua.
    O nosso Sol.
    O nosso Arco-íris.
    A nossa Segurança.
    O nosso Templo.

    ou

    A nossa Trovoada.
    Os nossos Relâmpagos
    O nosso Inferno.
    O Desamor.........
    A Insegurança.

    Linda a sua poesia e os temas.

    Forte Abraço
    Mer

    ResponderEliminar
  20. Um dos poemas que mais me tocou neste livro. Este e aquele que começa assim:
    "O que eu queria era ter sido Pedro
    porque Pedro lembra pedra, a concha"
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  21. «A nossa casa é um lugar ao vento», diz o poeta, um lugar afeito a todas as tempestades de vida e, no entanto, sobrevém a memória, o ânimo. gostei de ler.

    abraço.

    ResponderEliminar
  22. Amigo Calado.
    É nas palavras do poeta que aqui escreve,e eu acredito,a nossa casa é a concha no mar que nos acolhe de todas as coisas,adorei.
    Beijinho bfs

    ResponderEliminar
  23. "Esta época não é a nossa". Parece que não é, mas é, amigo. E vai continuar a ser, apesar da "subversão dos conceitos..."
    Um forte abraço

    ResponderEliminar
  24. Começa a ser um hábito vir aqui e ficar maravilhada.
    bjs

    ResponderEliminar
  25. Pois é poeta, a nossa casa é o nosso mundo, o nosso refúgio. Podemos estar em locais lindos,percorrer outros países, mas quando chegamos à nossa casa é tão bom!

    bj

    ResponderEliminar
  26. Gostei muito,Vieira.
    "... o resto do apego às coisas que tivemos" ,soa meio nostálgico e é. O coração se livra devagarinho daquela casa que o vento levou.
    Bonito essa nossa casa.
    Abraços

    ResponderEliminar
  27. Não há tempestade.., não há vento..., não há nada capaz de nos tirar aquilo que vivemos e que mantemos bem guardadinho no nosso coração; podem levar-nos tudo,mas as lembrançs, principalmente as boas, essas ninguém nos rouba; a nossa memória é a casa, o porto de abrigo de todas as sensações e experiências vividas que nos transformaram naquilo que hoje somos. Bela publicação, amigo. Até breve e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  28. A nossa casa realmente está ao vento,
    a única casa que podemos cahmar de nosa é nosso corpo,
    morada de nosso imortal espírito.
    beijo

    ResponderEliminar
  29. Grande Vieira,

    Lindo!


    Grande abraço,
    Adriano Nunes.

    ResponderEliminar
  30. Profundo e lindo!

    Uma filosofia em cada estrofe.

    Ser centelha que arde devagar na paisagem estóica, buscar a bárbara verdade duna onda, os apegos às coisas passageiras, enfim o mel jorrou e vou pensar sobre isso!

    Parabéns, poeta!

    Beijos

    Mirse

    ResponderEliminar
  31. Caro V. Calado:

    Que bela sinfonía brota deste poema que abriga as doces recordações de uma casa longínqua com telhados que cobriam o Mundo...

    Ps. Saudades da casa da minha infância!...

    Um abraço amigo Lagarto.
    Osvaldo Lagartão, porque já era Lagarto antes da minha avó ter nascido!...

    ResponderEliminar
  32. Qualquer poema que leia de si, querido poeta... é uma centelha para o meu coração.

    Já estou a ficar habituada à grandeza do seu poetizar.

    Bom final de semana.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  33. A NOSSA CASA...O PORTO ABRIGO...O LUGAR DE REFERÊNCIA...O SÍTIO DAS MEMÓRIAS...

    GOSTEI DO QUE POR LÁ DEIXASTE...

    BEIJINHO E BOM FIM DE SEMANA

    ResponderEliminar
  34. Amigo Vieira Calado,

    Enfim, de férias, e com tempo para "ler", aqui aportei...

    Esta época não é a nossa. Subverte os conceitos
    do ânimo, os desígnios legítimos de plenitude.


    Como são tão verdadeiras estas palavras!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  35. amigo vieira infinitamente belo seus jeito de escrever sobre a vida em tds os sentidos ja estava a sentir falta de suas visitas um forte abraço!!

    ResponderEliminar
  36. Passo novamente para comunicar que está no nosso retirito a obra de Neusa Negrão,(natural de Lagos) hoje inaugurada aqui na nossa Paróquia.

    Espero que goste e quando puder poderá ver ao vivo.

    Está muito belo este trabalho. Assim como os outros expostos dentro da nossa Igreja Paroquial do Calhariz de S.Domingos de Benfica.

    Forte abraço
    Mer

    ResponderEliminar
  37. Calado

    Ao ler o seu poema, recordei uns escritos meus antigos;

    "A nossa casa...
    É o melhor lugar do mundo,
    onde tudo começa e acaba, nos consola e nos afaga
    mesmo em silêncio profundo.
    A nossa casa é o nosso canto, o nosso porto seguro
    de onde partimos, onde atracamos
    O passado, o presente e o futuro!"

    Como diz...

    " Tudo nos pertence porque guardamos na memória.."

    Um abraço

    ResponderEliminar
  38. Olá Veira.

    Volto aqui para matar a saudade. Sempre que o tempo permite aproveito para visitar e me atualizar. Confesso que estou ausente face às atividades, mas como diz o poeta; “amigo é coisa para se guardar debaixo de sete chaves, assim falava a canção...” Aproveito para compartilhar o poema a seguir;
    "Viva a Vida"...
    “Por que Viver é Exalar Pura Energia!
    É Devolver Sorrisos.
    É Acreditar que o Bem Sempre Vence o Mal.
    É Conquistar Amigos.
    É Ser Sempre Leal e Fiel.
    É Transformar a Dor em Alegria.
    É Ter Amor no Coração.
    É Correr Atrás dos Sonhos, da Inspiração, e dos Projetos
    Buscando Sempre o Entendimento das Coisas.
    Viver é Ser Sempre da Paz.
    É Orar em Agradecimento pelas Dádivas Recebidas.
    É Buscar o que Te Faz Bem, e aos Outros Também.
    Viver é Lembrar que o Sorriso é o Idioma Universal.
    É Lembrar que o Final não Existe.
    É Saber que Tudo é um Eterno Recomeço.
    E Ver a Vida Sempre com o Amor no Coração.” A. d.
    Votos de um ótimo fim de semana. Muita paz, saúde e proteção. Brilhe sempre! Fique com Deus. Sucesso...

    Valdemir Reis

    ResponderEliminar
  39. Bom Dia, Amigo d´além-mar!
    Tenho quase certeza de que dormiu bem!
    Quanto a mim, dormi maravilhosamente bem. Fui deitar-me às 4: 30 e agora são 7: 00 aqui.
    Meu amigo, deixo-lhe: meu beijo, sono, desejo, cabelo ensolorado, sonho risonho, céu estrelado e, enfim, o meu sorriso perolado, para que o seu domingo seja muito inspirado.
    Renata Cordeiro
    PS: HAI CAI MESMO, de minha autoria na Vivi in-Foco, MEU JARDIM DE HAICAIS II no EU E DAÍ e O CÉU DESPENCA E AS CORES DA TEMPESTADE - VARIAÇÕES, por Renata Cordeiro, Marta Vinhais, Vicente de Carvalho (Sâo Vicente, Brasil) e Camilo Pessanha. Vá prestigiar algum, amigo, tenho saudades.
    Os seus últimos versos desse belíssimo poema intitulado A CASA, falam:" ainda somos a centelha que arde devagar na paisagem estreita de árvores estóicas, em momentos de tempestades, nas consciência das opções sublevadas". Guardadas as devidas proporções, A CASA têm tudo a ver com o postagem em nosso Blogue, e me lembra um poema que traduzi de Fabre d´Églantine: A HOSPITALIDADE, que está num livro que o POETA receberá logo, logo.

    ResponderEliminar
  40. Poeta Vieira Calado!
    Um poema muito belo. Interpreto-o como sendo uma ode ao nosso lar ou porque não ao nosso país, onde em cada uma das situações existe por vezes aconchego, amor, desunião, beleza, tempestade, mas onde impera sempre a esperança e a luz de um porvir mais risonho.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  41. o que importa é a chispa que desencadeie a centelha.

    importa a sustentação das árvores ainda que a paisagem nos limite as opções.

    _____

    beijo

    ResponderEliminar
  42. O vento sempre me diz coisas e me sinto em casa, agora sei porque...
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  43. Pois é meu amigo, a nossa casa é isso tudo tal como tu descreves, é lá que nos sentimos seguros e delineamos a vida.

    Beijinhos e um bom domingo

    ResponderEliminar
  44. Vieira Calado como fui sempre uma nómada a minha casa é o meu coração.
    É nele que guardo as minhas memórias. O meu porto de abrigo é o regaço dos meus pais, pois dou graças a Deus por mos conservar. Eles estão sempre presentes nas minhas desventuras e nas minhas alegrias.
    Mas como o Vieira Calado já percebeu eu consigo dar a volta ao texto e adapta-lo á minha pessoa.
    Vieira Calado é um mestre da poesia.
    Obrigada por deixar fazer parte do seu espaço

    Um abraço


    Carmo

    ResponderEliminar
  45. Amigo.

    O Outono, para mim, bem triste! Muito embora eu não seja muito tristonho, pelo contrário...

    Boa semana.

    Abraços.

    ZezinhoMota

    ResponderEliminar
  46. os apego são o que nos prende á vida, mas o maior inimigo do auto conhecimento
    beijo

    ResponderEliminar
  47. "Lar, doce Lar"...!

    Meus cumprimentos, como diz você. E uma boa semana!

    ResponderEliminar
  48. olá ... belo blog de poesia...
    poeta veterano ... também penso em publicar minhas poesias (falta coragem e dinheiro no bolso)...
    linkei você tem problema??
    me linka tb ...
    abraço
    até mais ver ...

    ResponderEliminar
  49. OLÁ AMIGO

    Já terminou a m/exposição sobre a Índia, fui para Porto na 6ª feira para desmontar tudo, regressei este domingo ao fim do dia e acabei de fazer um POST-agradecimento geral a todos os que estiveram comigo neste momento, uns de uma maneira, outros de outra.

    Também falo da minha dor e tristeza, enfim...

    Peço desculpa, só agora reparei que não fiz referência às pessoas que divulgaram nos seus blogues, e o meu Amigo foi logo o primeiro.
    MUITO OBRIGADO POR TUDO.

    Junto 3 imagens, são algumas das que eu fiz no dia da inauguração.

    Beijinhos.
    Bom Feriado!!!

    ResponderEliminar
  50. Folgo saber da sua exposição!

    Com certeza lhe deu muito prazer
    e foi interessante para quem a visitou.

    Sempre ao dispor.

    Beijinhosss

    ResponderEliminar
  51. Olá Vieira Calado,
    Seus poemas não são só bonitos, eles tocam a nossas almas.
    Não é uma charada que logo se mata. Mas sim, um algo mais a se pensar.
    Um abraço,
    Dalinha

    ResponderEliminar
  52. Nossa casa é o nosso porto seguro, onde há chão,céu e mar, ha uma vida vivida, recordações,e onde é bom ser a centelha que arde devagar, em todas as situações.

    Sempre muito bom ler-te!

    Bjinhos

    Céci

    ResponderEliminar
  53. Tudo nos pertence no espaço da memória! Uma grande verdade, poeta!

    A nossa casa...é um coração grande!ostei desta que aqui mostraste!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  54. V.Calado,

    BELO e acolhedor este poema! tão bom reler!

    permiti-me a ousadia de colocar o anuncio do lançamento do seu último livro, na minha lateral...

    um sorriso :)
    mariam

    ResponderEliminar
  55. Lindo,lindo mais este Poema que nos oferece !
    Uma boa semana

    ResponderEliminar
  56. A nossa casa...
    é o nosso mundo...
    mas este nosso mundo
    não me parece a nossa casa.

    Bjos

    ResponderEliminar
  57. Boa tarde meu amigo!

    Para além de cumprimentá-lo, venho dizer-lhe que encontrei "por aí", na blogoesfera, um poema seu fabuloso. Na verdade cada um que encontro é sempre mais belo que o outro.
    Mas este..., bom, este amei mais ainda, chama-se "POEMA ÀS CORES", maravilhoso. Não resisti à tentação de publicá-lo. Se lhe apetecer espreitar está em lagrimadechuvanomar.blogspot.com/
    Sou grata pela sua paciência comigo.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  58. Subjacente à palavra a essência do tempo.
    Belo!
    Bj.

    ResponderEliminar
  59. A nossa casa é o refúgio da alma, onde o vento não chega e onde o som do mar nos embala ....em momentos de incertezas.

    Abraço

    ResponderEliminar
  60. A nossa casa é o refúgio da alma, onde o vento não chega e onde o som do mar nos embala ....em momentos de incertezas.
    Abraço

    ResponderEliminar
  61. Que satisfação ao voltar a casa: a nossa casa.

    Abraços

    ResponderEliminar
  62. falar do amor e da casa

    não de roma

    ,direi, da casa :)



    beijo




    ~

    ResponderEliminar
  63. Caro amigo tomei a liberdade mais uma vez de fazer uma publicação deste seu poema no meu blog. Trata-se de um outro blog que criei, uma forma de manter vivas as raízes deste nosso Portugal, e colocar algumas fotografias que andei por aí a tirar. Um abraço

    ResponderEliminar
  64. Ola Vieira.
    Boa tarde.
    Realmente o regressar a casa , á nossa casa será sempre um voltar ás nossas vivencias,ás nossas recordaçoes, boas ou menos boas, mas é como um baú ,estão lá...
    Como sempre, poemas de uma beleza sem fim , que nos aquece o coraçao, a nossa alma.!!

    Deixo um bjo e o meu sorriso.
    Com carinho.
    Bea

    ResponderEliminar
  65. Meu abraço, amigo. Belo texto! :) Boa semana.

    ResponderEliminar
  66. A "nossa casa é um lugar ao vento(...)" mas, mesmo em "momentos de tempestade" se tiver bons 'alicerces' não cai... pode 'abanar' mas mantém-se em pé... E estes 'alicerces' são sem dúvida o amor e a compreensão, que são construídos 'dentro dela'... Adorei este texto!
    Boa semana!
    Cmc's

    AA

    ResponderEliminar
  67. A nossa casa é o nosso templo
    Por fora quando a tocamos
    Por dentro quando a sentimos
    A nossa casa, é puro exemplo...
    Onda que não molha
    Refúgio que nos olha...
    Nos recorda como o tempo
    Terra que mói...moinho sedento
    Na doce ternura do contentamento
    A nossa casa é alento!!

    Beijo meu, poeta

    ResponderEliminar
  68. Meu poeta!
    Quanta saudade de passar por aqui!
    Eu sumi um pouquinho mas já estou de volta!

    E vim receber esse carinho na alma, que seus escritos me proporciona.

    Lendo isso, entendi que precisamos olhar o mundo com os olhos de uma criança! Ahhhh para a criança tudo é bom e é fantasia! É sonho!
    É preciso viver a eternidade do instante, lutar por um ideal, acreditar num mundo bom...

    Amei voltar aqui! Eu tava precisando dessas palavras!

    Um beijo Grande!

    ResponderEliminar
  69. Nossa casa é um "Templo"
    Onde gostamos de morar
    Mas se um dia se desfaz!...
    Por onde vamos parar?

    Gostava que a minha casa
    Ficasse à beira do Mar
    Para de noite e de dia
    O poder contemplar

    Também gostava de a ter
    Rodeada p´la Natureza
    Para que ao sair à rua
    Observasse essa beleza

    Nossa casa é onde estamos
    Como a vida que vivemos
    Por isso não vale a pena
    Fugir àquilo que temos!...

    abraço
    Áurea

    ResponderEliminar
  70. Esta não é mesmo a nossa época.
    Muito belo este poema.

    ResponderEliminar
  71. Lindo poema meu amigo. Não há nada como a nossa casa, será sempre o espaço do nosso encanto. Beijócas

    ResponderEliminar
  72. a NOSSA casa é um lugar muito ventoso, de sentimentos expostos, mas nossos.
    é um livro aberto.

    gostei muito deste poema.

    boa semana.

    ResponderEliminar
  73. ADORAVEL O SEU TRABALHO SOBRE POESIA:::PARABENS :::DEIXO AQUI UM POEMA QUE EU ADOR DE FLORBELA ESPANCA:
    A nossa casa, Amor, a nossa casa!
    Onde está ela, Amor, que não a vejo?
    Na minha doida fantasia em brasa
    Constrói-a, num instante, o meu desejo!



    Onde está ela, Amor, a nossa casa,
    O bem que neste mundo mais invejo?
    O brando ninho aonde o nosso beijo
    Será mais puro e doce que uma asa?


    Sonho... que eu e tu, dois pobrezinhos,
    Andamos de mãos dadas, nos caminhos
    Duma terra de rosas, num jardim,




    Num país de ilusão que nunca vi...
    E que eu moro - tão bom! - dentro de ti
    E tu, ó meu Amor, dentro de mim...





    Florbela Espanca

    ResponderEliminar
  74. "Mas por isso ainda somos a centelha que arde devagar"- Sim ,lentamente no que a nossa força permite subverter os conceitos e retomar a nossa casa.
    Resumida está neste verso a constante ânsia de busca do homem.
    Abraços.Sucesso sempre!

    ResponderEliminar
  75. clarão

    que

    ilumina



    [Obrigado
    pela
    partilha]




    *abraço*

    ResponderEliminar
  76. E o que seria de todos nós se não fôssemos esta centelha que arde devagar. E sempre. O passado, presente e futuro são meras convenções.
    Um abraço!

    ResponderEliminar