,

,

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

POEMA A UM DINOSSAURO

.

É urgente estudar as pegadas dos dinossauros

que por aqui morreram há milhões de anos

deixando no ar este frémito de angústia,

.

para algum ensinamento útil, alguma nova luz

sobre o comportamento das raízes febris,

mormente sobre a função do seu apego à terra.

.

Nelas se reconhece uma ideia de passageiro

num alvo horizontal sobre o chão cercado.

.

Têm a estrutura móvel, táctil, dum esteiro

organizado pelas ciências exactas do comércio

estratificado em paralelas camadas geológicas.

.

Roçam o paradigma da precisão geométrica

como as estátuas, insinuando os gregos.

.

Explicam os tijolos feitos do barro nupcial

a curvatura vã do céu observado à noite

.

e são como um livro de sentenças insuspeitadas

que jaz na fronteira duma torre entreaberta.

.

em TERRACHÃ, ed. AJEA

77 comentários:

  1. Sois um mestre-sênior em aula de sapiência por meio do inusitado.

    Bem, bem!

    ResponderEliminar
  2. Olá, amigo !

    E "São como um livro de sentenças insuspeitadas

    que jaz na fronteira duma torre encoberta."


    Bonito e perfeito.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. Lindo como sempre...

    Eu vejo tua poesia.
    Eu vejo mesmo!
    Ela tem cor e forma,movimento também!

    Muito obrigado por sempre me permitir nesse blogosfera admirar algo de tanta qualidade!

    Beijos!

    ResponderEliminar
  4. Ótimo texto...brilhante!!!

    abraços

    Hugo

    ResponderEliminar
  5. É sempre um orgulho agradecer a quem nos dá algo.

    Mesmo que esse algo para muitos não tenha significado, para mim basta a sua presença no meu blog para que o efeito da gratidão tenha muito valor.

    Quanto a este seu poema, só posso dizer que é um autentico Dinossauro no bom sentido da palavra.

    Parabéns amigo.

    ResponderEliminar
  6. Boa lição de paleontologia...........em forma de poema.
    Gostei muito, parabéns.
    Um abraço
    Zica

    ResponderEliminar
  7. Olá Poeta Vieira Calado,

    É urgente ler-te, este poema está lindíssimo, e eu como nova nestas andanças, tenho muito ainda que aprender com pessoas como tu que escrevem tão bem.

    Obrigada

    Bjinhos

    Céci

    ResponderEliminar
  8. Obrigada por compartilhar a beleza das suas poesias.
    Hoje, feriado aqui no Brasil, Dia da Independência.
    Tenha uma ótima semana.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  9. No brilhantismo da tua escrita a ciência a transbordar ensinamentos.

    Fantástico

    Adorei

    beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  10. Literatura e história sempre andando juntas! Passado e presente dando a tônica da vida... Gostei da tua poesia.
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Bom Dia !

    A urgência se faz presente sempre,
    quando, pelo conhecimento
    seja na antroponímia
    ou na antropologia
    para que a angustia não se torne
    um gás paralisante.

    Abraços com carinho a vc, Poeta Calado

    ResponderEliminar
  12. É urgente mesmo, meu amigo.

    É urgente olharmos o ontem, rumo ao amanhã.
    Há quem diga que o ontem já não existe mais, tão pouco o amanhã ainda não existe... a mim parece-me que o que não tem consistência é este tempo presente, tão efémero...
    Vamos sendo, passando... deixando pegadas... um rasto do que fomos...


    Um beijinho de amizade *

    ResponderEliminar
  13. Que caiam todas as torres, poeta!
    É urgentíiissmo...!

    Abs

    ResponderEliminar
  14. Gostei muito. Tema diferente, para ser tratado por um poeta diferente. Parabéns

    ResponderEliminar
  15. Excelente!
    E o amor. O amor é também urgente...

    Beijo

    ResponderEliminar
  16. Pegadas de dinossauros...
    tal como outros sinais que nos vêm do passado
    nos fazem pensar na nossa efémera vida sobre o planeta.

    Boa semana

    Bjs

    ResponderEliminar
  17. OUTRA FORMA DE VIDA...ANTECEDEU-NOS A NÓS HUMANOS QUE ÁS VEZES SOMOS DEMASIADO ARROGANTES... JULGANDO-NOS OS SENHORES DA TERRA... E HÁ TANTO SOBRE O COMEÇO DA TERRA QUE NÃO SABEMOS...

    BJS

    ResponderEliminar
  18. para um dinossauro cheio de virtudes e beleza!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Parabéns amigo. Só um grande poeta para fazer tão bela escrita, sobre um bicho tão feio... e refiro-me mesmo aqueles extintos há milhares de anos e não a alguns de duas pernas que pululam por aí.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  20. Vc escreve bem.
    Tem talendo.

    Maneiro seus blogs.

    bjus

    ResponderEliminar
  21. Meu amigo,
    Tu, melhor que ninguém, sabes o que é o Verão por estes lados.
    Estou neste momento a tentar recomeçar as minhas visitas aos amigos - são tantos! - mas ainda lentamente que as férias estão para breve e aí sim, terei tempo para ler com toda a atenção.
    Sabes que este é um poema daqueles que me subjugam pelas palavras, pelo gozo da palavra... e não vou destacar nenhum verso, não me atrevo.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  22. As marcas do nosso passado são certamente pegadas de dinossauros.
    Gostei muito da originalidade

    ResponderEliminar
  23. Olá grande poeta!
    Obrigado pelo comentário no meu cantinho. Voltarei sempre que possível, para me deliciar com tantos ensinamentos. De facto, é urgente recuar ao passado para perceber o presente.
    Um abraço,
    Judite

    ResponderEliminar
  24. Estamos perante um dinossauro da poesia! é urgente aplausos...
    bjs

    ResponderEliminar
  25. Olá Vieira Calado,
    É bom passar por aqui, apreciar seus poemas e aprender sempre um pouquinho mais com você.

    Carinhosamente,
    Dalinha

    ResponderEliminar
  26. Original forma de escrita ! Parabéns!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  27. Amigo Vieira Calado.

    Para além de ler mais um belo poema seu...

    Deixo-lhe um abraço meu...

    ZezinhoMota

    ResponderEliminar
  28. Este roçar o paradigma na precisão da curvatura ascendente do poema...
    Um forte abraço
    Chris

    ResponderEliminar
  29. Épocas distantes, outros tempos! bom falar sobre esse começo e só os poetas sabem faze-lo tao bem. Parabéns , poeta!
    Essa "ideia do passageiro" me faz pensar em como passageiros somos aqui..
    Boa noite, meu mestre.

    ResponderEliminar
  30. Maravilhoso, Vieira, falar em poema sobre esses seres que tiveram sua era, mas deixaram suas marcas profundas.

    Como a lembrança de também sermos passageiros de uma outra era.

    O mesmo está acontecendo com tantos outros animais, e assim vai-se o princípio histórico e moral!

    Parabéns!

    Beijos

    Mirse

    ResponderEliminar
  31. Caro amigo: Tens razão no que dizes. Nos manuais de História do Ensino Básico ainda não contemplam esse momento histórico tão importante antes do aparecimento do Homem.

    Passei por aqui também para não te esqueceres de enviar a tua contribuição sobre vinhos para aldeia da minha vida (era até hoje).
    o email é:
    aminhaldeia@sapo.pt

    Bjs Susana

    ResponderEliminar
  32. Oi Vieira me enche de prazer te ler...a beleza das palavras é humanizar a natureza em analogias de sentimentos humanos, vestistes o teu cenário de adornos metafóricos, evocando imagens belas que trouxesse teus momentos de reflexões e devaneios...mistura de magias produzindo encantamentos...

    aplausos !!!

    Beijos mil

    ResponderEliminar
  33. Cá estou novamente, poeta, para dizer que infelizmente, não conseguí publicar teu comentário.
    porque ao liberar a publicação, ele simplesmente SUMIU! Será que foi alguma falha do provedor?
    Não sei, o fato é que lamento muito, porque gosto de receber tua visita!
    Abs

    ResponderEliminar
  34. És um entendido na matéria....e escrito desta maneira, nem encontro palavras para descrever..
    Mas está espectacular como sempre.

    Beijos

    ResponderEliminar
  35. Belo texto, uma homenagem muito pertinente.

    Todos devíamos respeitar as nossas origens.

    Abraço
    Mer

    ResponderEliminar
  36. Adorei suas poesias. São lindas, de verdade!

    Abraços,

    Sabrina

    ResponderEliminar
  37. Meu Deus, o que dizer diante de tanta beleza? Não é a primeira vez que fico aqui lendo e relendo e não encontro palavras. Lindíssimo!
    Bjs

    ResponderEliminar
  38. Depois de um grande interregno estoude volta a estas lides, não com tanta frequência porque o computador começou a cansar-me um pouco e tinha saudades das sebentas e dos lápis e escrever em qualquer sítio sem ter de andar com a máquina sempre atrás.
    Abraço
    Isabel

    ResponderEliminar
  39. Uma imagética que nos faz pensar...

    ResponderEliminar
  40. É urgente a beleza, como a das linhas que aqui costumo ler.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  41. Adorei seu blog...seu post, voltarei sempre

    ResponderEliminar
  42. Mais um belo poema, amigo! Meu abraço, boa semana.

    ResponderEliminar
  43. " E são como um livro de sentenças insuspeitadas
    Que jaz na fronteira duma torre entreaberta "

    E assim termina mais um belo Poema

    ResponderEliminar
  44. É um belíssimo poema sobre o signicado das pagadas, das suas falas, das suas mensagens, do nosso percurso transitório e eterno de mistérios e perguntas sobtre a terra. Olhar para as pegadas soa também como uma sentença. Inevitável. Cheia de silêncios e de ecos. Há os especialistas do carbono 14, mas basta a sensibilidade e a estética.É um campo em que a ciência vai de mãos dadas com a poesia e a arte. Um abraço.

    ResponderEliminar
  45. Caro amigo, como sempre belo poema...Espectacular....
    Um abraço

    ResponderEliminar
  46. Amigo!
    Sinto-me incapaz de comentar o seu poema, tão preciso no conteúdo, na forma, não há o que comentar, é sempre precisa. Admiro quem entende tanto de tanta coisa. Dinossauros... acho que o meu sobrinho teria mais gabarito para comentá-lo. Traduzi livros sobre o tema, porém de péssima qualidade. Ciências Exatas. Minha primeira estada malograda na Universidade de São Paulo: Engenharia Naval. 16 anos, mal ingressara na vida adulta e me vi à volta de números e mais números. Por 1 ano, só aulas de Cálculo! Claro que abandonei, por Medicina, que abandonei por Filosofia. Depois, Letras. Vida já traçada antes do meu nascimento, conta o meu velho pai. Daí o meu nome, o meu mapa astral, a minha mandala, e a minha vida, que, por incrível que pareça, e que, por mais agnóstica que eu seja, parece que sempre esteve escrita nas estrelas mesmo.
    Desculpe-me as divagações, mas foram efeito do seu poema, creia em mim.
    Beijos de admiração,
    Renata Maria

    ResponderEliminar
  47. Caro Vieira Calado,
    De facto sempre que, aqui venho fico tão maravilhado que não saio daqui enquanto não ler o que escreveu mais cinco ou seis vezes.
    Sempre fantástico!
    Maravilhoso.!

    Abraço enorme,
    Rui Fernandes

    ResponderEliminar
  48. Glória aos dinossauros!ainda conheci alguns...

    (outros deixaram maecas indeléveis no percurso da História)

    invejável poema.

    abraço, Poeta.

    ResponderEliminar
  49. Um poema muito belo e com um tema bastante original.

    A ciência feita poema.

    Parabéns.

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  50. Jóia! Muito bom! Acho que foi o melhor que eu li nesse blog.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  51. Um poema a um dinossauro é boa ideia, gostava de ter conhecido um!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  52. "sentenças insuspeitadas", amigo.
    Quem falaria assim dos dinossauros?
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  53. Pegadas na fronteira do desconhecido. Palavras na fronteira da poesia.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  54. Sempre um bom poema encontro por aqui! Muito boa a proposta desse poema. Abraços!

    ResponderEliminar
  55. Caro amigo Vieira,

    Sentia saudades de cá estar...
    Venho ler-te e também agradecer
    pelas visitas na minha ausência...

    Abraços fortes
    jinhos da rosa amiga
    Iana!!!

    ResponderEliminar
  56. __________________________________


    Um belo poema com um tema bem original!

    Sim...Vivemos nas pegadas daqueles que já se foram!

    Beijos de luz e o meu carinho...


    _________________________________

    ResponderEliminar
  57. Uma angústia que parece ter percorrido o tempo como se os dinossauros ainda existissem...
    Será assim poeta?
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  58. ...
    e são como um livro de sentenças insuspeitadas
    ...

    Marcas deixadas na terra...como marcas deixam os seus poemas.

    Só hoje li "Melancolia".É muito belo!

    Abraço amigo.

    ResponderEliminar
  59. "...estratificado em paralelas camadas geológicas..."

    não estaremos todos?
    Deixo o meu carinho

    ResponderEliminar
  60. um poema fantástico que mais do ´que dinossauros fala da nossa história enquanto humanidade
    beijo

    ResponderEliminar
  61. Deixaram-nos realmente, uma porta entreaberta, por onde conseguimos ver, ainda, tão pouco... Marcaram uma época mas mereceram um poema com sensibilidade.
    Bom fim de semana, professor.

    ResponderEliminar
  62. É realmente difícil encontrar as discurso certo para falar sobre a poesia que escreves. Marca-nos a ferro e fogo, rouba-nos o fôlego e deixa mudas as nossas palavras simples.

    Como gostaria de ter nascido homem,(desde miúda que penso assim)para ser um animal nocturno como tu...embora hoje já não seja absolutamente necessário!
    Boa praia para amanhã, aproveita a água quentinha.

    ResponderEliminar
  63. diferente poema mas com um verdadeiro toque de vieira calado mago das palavras bom fim d esemana1

    ResponderEliminar
  64. Artesão de palavras que constrói torres de esperança em versos grafados na alma.

    Parabéns e Sucesso em teu novo Livro!!

    Abraço

    ResponderEliminar
  65. Deixo hoje a concha onde estive hibernando durante algum tempo e venho agradecer as suas palavras e a sua visita.
    Gostei MUITO dos seus dinossauros; voltarei, mais demoradamente, para apreciar vagarosamente.
    Abraço
    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  66. O poeta faz a diferença no que escreve!

    Sublime!

    Beijo

    ResponderEliminar
  67. "um livro de sentenças"

    como as pegadas
    do homem sobre o futuro

    ________

    um beijo

    ResponderEliminar
  68. compreender a história da terra, as leis da natureza.

    poema muito bem escrito!

    ResponderEliminar
  69. Gosto muito da tua poesia é simples e sofisticada ao mesmo tempo. Como é que pode isso?! Abraço

    ResponderEliminar
  70. . do re.passar ao re.começo da passagem . da criação .

    . que ampla aspira a curva .

    . que des.criamos de olhos abertos a.penas pelo corpóreo dos dias .

    . onde a alma é um estádio de sítio, e de espírito há tanto nada .

    . "amei.de.amar" .

    . um abraço .

    [. re.volto para ler tudo ,,, até ao fim, aqui início perene e intemporal .]

    ResponderEliminar
  71. Olá caro amigo.

    Cá venho outra vez inspirar-me nos seus poemas para riscar um dos meus pobres esboços.

    O dinossauro.

    Ele foi grande entre os grandes.
    Foi predador sem pecado.
    As pegadas dele fizeram recado,
    aos humanos dos Himalaias aos Andes.

    Este planeta dominavam,
    o mesmo que agora chamamos nosso.
    Era então o quero, mando e posso,
    No tempo que ficou em vão.

    Vaidosos há, que com essas feras se identificam.
    Vaidosos há, que com qualquer grandeza se deslumbram.
    Pouco informados eles são, quando não distinguem grandeza de grandiosidade.
    Pouco informados são, aqueles que não aceitam a sua própria escala e só se guiam pela vaidade.

    Um grande abraço

    João Pedro Jacinto

    www.jpjacinto.com

    ResponderEliminar