,

,

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Muros

....

Onde inventar um caminho legítimo
para o êxodo, uma porta entreaberta
respirando o ar que vem da terra?


Os muros da cidade sustentam-se
destas incertezas, destas cortinas
de fogo, este balbuciar de cansaços
inexactos, intranquilos como o fumo
esparso, dispersando vozes alheias.

.
Não nos inclina a dureza das pedras,
a sua fiel sabedoria de intransigências.

.
Mas tarde é inútil, para fingir exílios.


Hoje já é ontem, para o fim indiciado.

em Terrachã, ed. AJEA

52 comentários:

  1. AMIGO POETA

    caminhos
    muros, pedras
    portas
    rangem de fúria
    desconcertam-me
    estremeço
    oiço vozes
    grito, fujo
    vou sem destino.

    Convido-o a visitar o meu blog:
    Momentos Perfeitos, pois participei num raid fotográfico e coloquei 2 das fotos que fiz.
    Gostaria da sua opinião, pode ser?

    Adoro bosques e pinhais, adoro fotografar árvores.
    MAR, água e sol, nuvens, tudo o que tenha a ver com a Natureza.

    Boa semana.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Olá!
    Segui sua indicação.
    Venho agradecer seu convite e dizer, parabéns ao poema.
    Uma ótima semana!

    ResponderEliminar
  3. Ou melhor, parabéns pelo poema que escreveu...rss

    ResponderEliminar
  4. Este poema reporta-me ao pensamento recorrente que me tem acompanhado: devia ter emigrado, há anos...
    Gostei, quer da ideia, quer da cadência.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. A verdade desta sua poesia tocou-me fundo.

    Edificamos muros, com medos e incertezas. Muros que são fantasmas que sustentam a nossa quietude. E sitiamo-nos no lugar que perdeu significado, deixando que o tempo passe...


    Deixo-lhe um beijinho *

    ResponderEliminar
  6. hoje já é ontem e não é fácil encontrar um caminho que nos permita saltar o muro
    beijos

    ResponderEliminar
  7. Olá meu poeta e amigo, sumiuuuuuuu.
    Olha que poema mais lindo é esse?.
    Adorei.
    Uma semana repleta de muita luz e carinho.
    Recheada de muita fé e forte como a energia.
    Beijos amigo poeta.

    Saudades.


    Regina Coeli.

    ResponderEliminar
  8. Sarava!


    + um...tão bom! Viva os poemas sem tempo!


    beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Brilhante este teu texto... gostei mesmo muito...

    Uma grande chama para ti...Abraço

    ResponderEliminar
  10. Belissimo...
    obrigado pela visita....
    abraços

    ResponderEliminar
  11. Belissimo...
    obrigado pela visita....
    abraços

    ResponderEliminar
  12. MUROS DE PEDRA .. E OUTROS MUROS INVISÍVEIS...não menos duros e decerto altos...
    beijinhos das nuvens

    ResponderEliminar
  13. Hoje já é ontem. Grande verdade dita pelo poeta.

    Mais uma vez vim lê-lo e deixar

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  14. 'Hoje já pe ontem' e os agoras se misturam efêmeros e eternos.
    Adorei o poema, como tudo o que escreves.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  15. É sempre inútil fingir. Como sempre, gostei do teu poema. Muitos beijos.

    ResponderEliminar
  16. se é para se fazer, que se faça, já... se arrependimentos houver, que o sejam porque se fez!
    Poeta, neste belo poema,julgo não ser esta a sua ideia, mas é assim que eu o tomo para mim.

    no fim-de-semana voltarei com mais tempo, tenho tido uns dias CHEIOS de trabalho e à noite, estou demasiado cansada para vir aqui... sorry!

    bom resto de semana
    um sorriso :)
    mariam

    ResponderEliminar
  17. Belo canto á sabedoria e ao sentir das palavras.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Meu doce amigo! Os piores muros são aqueles que construímos dentro de nós, que nos impedem de ver a vida do outro lado. E você tão bem o diz em seus belos versos.
    Beijos

    ResponderEliminar
  19. Mais um belo poema, Amigo Vieira Calado. Um abraço.

    ResponderEliminar
  20. Nunca é tarde para a poesia...mesmo se a mensagem é grave...como neste seu poema bem original...

    abraço

    ResponderEliminar
  21. Como derrubar os muros que nós próprios construímos, à nossa volta?
    Gostei muito, muito do seu poema, das metáforas que usou...

    Abraços e um grande sorriso :)

    ResponderEliminar
  22. Destaco esta frase desta excelente poesia, Calado

    "Hoje já é ontem, para o fim indiciado. "

    É verdade...

    Grande beijo

    ResponderEliminar
  23. Um poema para ler e reflectir... Inventa tu o caminho! És poeta! Consegues :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. O caminho do êxodo é andar às "envoltinhas"...

    Uma bica?
    Partilhava, cada um com a sua chávena...

    Um beijo grande, um abraço maior.
    (consulta o mail)

    ResponderEliminar
  25. o muro tem um certo ar de mistério e de sinistro , como pode também ser sómente a passagem.


    Abraço amigo Vieira

    ResponderEliminar
  26. «Os muros da cidade sustentam-se
    destas incertezas, destas cortinas
    de fogo»

    muito bom este poema, crescendo em intensidade, com um final sublime.

    ResponderEliminar
  27. Tenho um novo projecto.
    Dê-me a sua opinião, se faz favor.

    ResponderEliminar
  28. A Literatura Portuguesa faz parte do meu viver e vir aqui ler o meu amigo
    e uma obrigação de bom gosto.

    Bom fim de semana.

    Um abraço

    ZezinhoMota

    ResponderEliminar
  29. Um dia, esta porta entreaberta abrir-se-á completamente e poderás aproveitar em pleno a luz do sol !
    Hoje, dia do sorriso, envio-te, caro amigo , uns sorridentes beijinhos verdinhos.

    ResponderEliminar
  30. Derrubem-se os muros que as incertezas constroem. Invente-se um caminho para o amanhã.
    Um beijo para o poeta.

    ResponderEliminar
  31. Brilhante poema Vieira Calado. Vou levá-lo para o rosamarmore se o Amigo não se importa. Creio que não.

    Um abraço,

    JMB

    ResponderEliminar
  32. Olá caro amigo Vieira Calado;
    Mais uma vez, aproveito para "savorear" a maravilhosa poesia com que você nos brinda.
    "Muros" desperta-nos para uma realidade cada vez mais presente e opressante que é a necessidade urgente de desbravar de novo caminhos para a actualidade que nos sufoca e para isso precisamos vencer os muros que nos oprimem.
    Obrigado por nos lembrar que por vezes mesmo o amanhã já é tarde.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  33. Muros de pedra, muros invisíveis. Como por vezes é difícil nós ultrapassarmo-los, mas quando isso acontece a nossa felicidade é imensa. Mais um obstáculo que ltrapassámos.
    Abraço

    ResponderEliminar
  34. Lindo poema! Erguemos tantos muros ao longo da vida, muitos deles para nos afastar das incertezas e, inconscientemente, estamos a edificá-los naquilo que é incerto.

    Beijinhos,


    Graça Mello

    ResponderEliminar
  35. A tua sensibilidade é marcante... Belo poema que nos marca imenso, pois como dizia o poeta, é preciso fingir a dor que se sente realmente! Boa semana com tudo de bom.

    ResponderEliminar
  36. Olá querido Amigo Vieira Calado, sublime poema... Adorei!
    Bom fim de semana, muitos beijinhos de carinho,
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  37. olá
    adicionei seu blog à minha lista de favoritos.
    assim que puder, dá uma conferida e opina!
    beijinhux.

    Bye bye.

    ResponderEliminar
  38. Que palavras tão profundas e cheias de sentido. Beijo

    ResponderEliminar
  39. Caro Vieira Calado, boa noite.

    Venho aqui saber se ainda há possibilidade de realizarmos o nosso Café Literário, ou melhor, entrevista.

    Sei que andas por deveras ocupado, conforme já me comunicou, porém gostaria de saber se há condições de marcarmos nosso café virtual para o final deste mês.

    Aprecio, por demais, a sua poética e tenho convicção que você contribuirá muito para ampliação do gosto dos leitores internautas brasileiros.

    Quanto ao poema "Muros", só tenho a dizer-lhe que se trata de mais uma das muitas jóias caladiana: amei!

    Acho incrível a leveza de sua linguagem, mesmo quando trata de um tema profundo que requer um pensar reflexivo.

    Parabéns Poeta!

    E, se puder, pense na minha proposta para o final de outubro, ok?

    Forte abraço de sua leitora brasileira,

    Hercília Fernandes (H.F.).

    ResponderEliminar
  40. olá amigo! lindo como sempre tudo que escreves . por vezes há que não hesitar e saltr todos os muros que temos pela frente e tentar sempre é que é caminho . um bom dia para ti
    bj,carla granja

    ResponderEliminar
  41. lindo o teu poema, amigo!
    quando o hoje já foi ontem não há lugar para mais espectativas nem fingimentos...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  42. Antes de mais, venho agradecer a visita ao meu cantinho.
    Com tempo virei dar uma espreitadela mais cuidada ao seu espaço, visto também ser amante da poesia.
    Abraço

    ResponderEliminar
  43. Voltei, porque percebi que também tem livros publicados, não me tinha apercebido e peço desculpa.
    Será do nome e do mar?
    O MAR AS GAIVOTAS, ESTAMOS EM TERRAS DE MAR (eu não tenho nada publicado, mas sim o meu pai, desde há muitos anos que escreve).
    AB
    Isabel Cabral

    ResponderEliminar
  44. excelente. de uma qualidade poética admirável.

    gostei muito.

    abraços

    ResponderEliminar
  45. Amigo são lindos os teus poemas. são fascinantes, saltas barreiras, contornas obstáculos...obrigada pela visita...Beijo...

    ResponderEliminar
  46. Obrigado pelo passeio ao meu blog. Não sei se me posso considerar poeta, mas poesia é pelo menos o que tento fazer. Você sim, eu acredito ser um bom poeta, como este texto comprova e os comentários por aqui acima.

    ResponderEliminar
  47. Também podemos dizer que o ontem já é hoje, assim como o hoje já é o amanhã...

    Muitas vezes procuramos inventar caminhos onde eles já existem e, mesmo olhando de olhos esbugalhados, não os vemos, cegos pelas nossas dependências e pelos nossos vícios...

    Quantas vezes não procuramos os óculos que temos na cara, o chapéu que temos na cabeça e as luvas que temos nas mãos, ou, tão simplesmente, o telemóvel (celular) com que estamos a falar?

    Um abraço amigo e obrigado pela visita lá no meu cantinho...

    Colibri
    ------
    ps: Estou a seguir o teu blog através do novo elemento de página SEGUIDORES do Blogger. Se também quiseres seguir o meu, clica em Colibrir as Emoções…

    As minhas últimas rapidinhas nos blogs…
    Depois da tempestade…
    Parte 7 – As casas de adobe...

    ResponderEliminar
  48. Um poema que faz as palavras dançarem livres e soltas.

    Tudo bem contigo?

    Sill

    ResponderEliminar