,

,

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

LAGOS ONTEM

em "Lagos Ontem", 2ª ed. da Câmara Municipal de Lagos
 .clique para melhor ler

37 comentários:

  1. Linda forma de homenagear tua bela Lagos, do ontem e hoje e amanhã distante, será a mãe das descobertas e o berço dos poetas maiores, parabéns, boa noite poeta.

    ResponderEliminar
  2. " Aqui estamos tempo", mais uma vez com um notável poema do mestre Vieira Calado.
    O mar...sempre presente numa escrita sublime.
    Abraço amigo Mestre

    ResponderEliminar
  3. Sobre o tempo, já foi ontem.
    Sempre vc e belas palavras.Poema sobre um lugar, isso é amor.
    Bjs, querido.

    ResponderEliminar
  4. E o tempo...faz o seu trabalho em nós.
    A nossa terra merece sempre ser homenageada!
    Bj e bom fds
    Graça

    ResponderEliminar
  5. *
    gostei,
    ,
    a ampulheta
    fazendo do tempo areia !
    ,
    saudações,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  6. Aqui estamos, poeta amigo
    Ganhando o nosso tempo. Mas quanto mais tempo, menos tempo temos.A Matemática do tempo de: mais tempo por mais tempo, não dá mais tempo, mas...menos tempo.
    Um poema maior este, teu.
    Grande abraço.
    Isabel

    ResponderEliminar
  7. ... e como as cidades, encerramo-nos e fechamo-nos em nós mesmos, às vezes...

    Beijo, Calado!

    ResponderEliminar
  8. É um belo poema que deixa Lagos envaidecida e com razão!
    Abraço amigo.

    ResponderEliminar
  9. O tempo que nos acompanha inevitàvelmente.

    Bonita homenagem.

    Belo poema

    bjgrande do Lago

    ResponderEliminar
  10. O tempo que nos acompanha inevitàvelmente.

    Bonita homenagem.

    Belo poema

    bjgrande do Lago

    ResponderEliminar
  11. _______________________________


    Belo canto para sua terra!


    Beijos de luz e o meu carinho...

    __________________________________

    ResponderEliminar
  12. Uma terra linda com uma homenagem à sua altura.
    Cumps

    ResponderEliminar
  13. Desejos vãos ( meu amor)

    Eu queria ser o Mar de altivo porte
    Que ri e canta, a vastidão imensa!
    Eu queria ser a Pedra que não pensa,
    A pedra do caminho, rude e forte!

    Eu queria ser o Sol, a luz intensa,
    O bem do que é humilde e não tem sorte!
    Eu queria ser a árvore tosca e densa
    Que ri do mundo vão e até da morte!

    Mas o Mar também chora de tristeza…
    As árvores também, como quem reza,
    Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!

    E o Sol altivo e forte, ao fim de um dia,
    Tem lágrimas de sangue na agonia!
    E as Pedras… essas… pisa-as toda a gente!…

    Florbela Espanca - Livro de Mágoas

    ResponderEliminar
  14. o movimento continuo que marca o tempo dos homens em seu vai e vem constante.
    Lindo poema e as fotos compõe muito bem.
    Saudades do amigo.
    beijos

    ResponderEliminar
  15. Nós os plátanos humanos somos peregrinos nesta marcha colectiva da natureza. Enquanto vivos saibamos fruír a poesia que de nós dimana e a que vislumbramos em redor...
    E melhor do que ninguém, este Plátano erudito e sem máculas chamado Vieira Calado.

    Boa semana.

    ResponderEliminar
  16. aqui estamos, todos, como álvaro de campos, morando no rés-do-chão do pensamento, editando as primeiras, as segundas, as terceiras e as infinitesimais edições de existir.
    meus parabéns, poeta.
    saudações
    mancha

    ResponderEliminar
  17. Maravilhoso poema Vieira
    O tempo que nos consome e o amor pela terra faz brotar belezas em forma de versos.
    Parabéns , arrasou!
    abraços

    ResponderEliminar
  18. Bom dia Poeta!
    Os teu comentário são muito valiosos para mim, por isso este deixou-me muito feliz. Obrigada!
    Algo correu mal com a nossa lista de amigos, não tenho recebido as actualizações do teu blog. Vou tomar a liberdade de me "realistar" por aqui... :-))

    Volto mais logo, para ler o que me escapou...

    Beijo!

    ResponderEliminar
  19. Hoje deixei de medir o tempo;
    mandei parar todos os relógios da terra... E num instante único agradeço a Tua amizade nas muitas alegrias, nas muitas amarguras e uns tantos abandonos.

    Estás acima do meu mundo, mas apesar disso enalteço a Memória e o Sonho.

    E isto a propósito de mandar parar o tempo e não o cumprir.

    Amei seu canto! E fugi ao encanto do que diz, pois não estou dependente do tempo.

    Parei os relógios da terra!
    Hoje foi assim, no meu recanto!

    E o seu canto de encanto diz:

    "Aqui estamos, tempo,
    e aqui te cumprimos."

    Mª. Luísa

    ResponderEliminar
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  21. "Aqui estamos, tempo"
    Relembrando os idos desta bela cidade de Lagos, aqui tão soberbamente cantada pelo seu poeta maior.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  22. "Aqui estamos, tempo"
    Relembrando os idos desta bela cidade de Lagos, aqui tão soberbamente cantada pelo seu poeta maior.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  23. oi querido obrigada pela visita ,mas não é aprimeira ,pois vc é meu seguidor faz tempo,dseculpe a ausencia,por motivo d edoença as vezes so faço postagens visito aos poucos bjs!

    ResponderEliminar
  24. Calado, agradeço sua amavel visita ao Sem Reservas. Ele é um blog que uso pouco. Os que são semanais se chamam Blogzoom (entretenimento) e Masquerade (comportamento).

    Muito obrigada, beijos

    ResponderEliminar
  25. Belíssimo, e que lindas fotos.
    Obrigada pela presença.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  26. O tempo, o Sr. dos moldes, basta que o deixemos agir plenamente em nossa dura couraça, para fins, de tomarmos uma forma mais sensata. Beijo Calado

    ResponderEliminar
  27. Olá meu amigo! Este Lagos que você ama...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  28. Adorei esse escrito...
    Obrigada por compartilhar.
    Beijinhos
    Ceiça

    ResponderEliminar
  29. Um tempo, ao mesmo tempo, extático e dinâmico; que vai e vem como as ondas do próprio tempo...
    Abraço

    ResponderEliminar
  30. Engrçado que o nosso presente pode ser o passado de alguém, bem como o presente de alguém pode ser o nosso futuro...

    Vulgo, as modernidades que as vezes temos tanta dificuldade é algo que alguém mais novo vive dia a dia, mas as vezes contando as nossas história, parecem coisas do passado (tipo, quanto dos novos bricaram com um boneco de sabugo de milho?).

    Fique com Deus, menino Vieira Calado.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  31. Lindo poema...
    Nada como o tempo para nos fazer ver com mais clareza as coisas, em principal aquilo que amamos...

    ResponderEliminar
  32. Há um tempo que passa sobre tudo. E sobretudo passa.

    ResponderEliminar