,

,

domingo, 17 de janeiro de 2010

Nesse tempo

.

No tempo em que as crianças aprendiam a desenhar

um jarro de água em cima da mesa,

uma árvore rodeada de promessas

num carrinho em madeira feito com as próprias mãos

para conquistar a distância e as manhãs

.-

nesse tempo

havia uma grande luminosidade nos ares

uma ânsia encoberta no coração dos dias

e um rio corria limpo dos olhos das crianças.

.

A noite que se via no olhar do caminheiro

era uma seta apontada ao futuro

e o destino era uma promessa de espigas loiras

de trigo plantadas na cidade

das grandes luzes para afugentar a noite.

.

Nesse tempo havia uma palavra nunca dita

a dar corpo à raiz dos corações,

porque o caminheiro havia de ter uma árvore

desenhada por uma criança

enfeitada de palavras, numa rua da cidade.

.

inédito

52 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Que distante estas doces lembranças...
    E hoje nossas crianças nem imaginam
    uma vida assim.
    Belíssimo poema. Grande abraço. Edna.

    ResponderEliminar
  3. Belíssimo!
    Nesse tempo era verde a esperança.

    Cumprimentos cordiais

    L.B.

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito neste tempo esperamos que todos possam plantar uma arvore para dar fruto e sombra aos que precisam e que as criancas possam continuar aprendendo para termos um futuro melhor, paz.

    ResponderEliminar
  5. As poesias que você escolhe são sempre ótimas.
    Hoje ninguém quer mais plantar uma árvore, talvez queiram destruir...
    Grande abraço com desejos de uma ótima semana!

    ResponderEliminar
  6. Tempos em que as crianças brincavam de conquistar distancias e coisas. Tempos mágicos pois são os tempos da infancia.
    Lindo, especialmente bonito.
    abraços

    ResponderEliminar
  7. Meu querido poeta.
    Doces lembranças da infancia...primeiro da minha, depois dos meus filhos.
    Lindo

    beijinhos
    sonhadora

    ResponderEliminar
  8. às vezes a gente tropeça nas palvras e fica luminoso: é o caso

    ResponderEliminar
  9. E seus versos fizeram-me voltar a esse tempo...

    Beijinho com amizade *

    ResponderEliminar
  10. Caro Vieira Calado;

    Nesse tempo,...
    bom, nesse tempo eramos todos crianças e assim deveriamos ter continuado!.

    Um abraço,
    Osvaldo

    ResponderEliminar
  11. Bonito, Vieira! Muito bonito :-)

    Abracos e uma boa semana

    ResponderEliminar
  12. Oi, Vieira

    Lindo tempo em que as crianças viviam a inocência da sua infância e os adultos confiavam nos seus sonhos!

    Linda poesia!

    Boa semana pra ti,
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Belas, como sempre, as tuas palavras.
    Senti a esperança no poema.
    Muitos beijos.

    ResponderEliminar
  14. Doces lembranças,que parece ser sonho.
    Eu, ainda tive o privilégio de ver a natureza luminosa...
    Boas recordações.
    Beijo

    ResponderEliminar
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  16. Amigo Calado,

    Só hoje descobri que era poeta...e dos muito bons!!!
    Parabéns!!!

    Como diz o outro "Those were the days", que saudades...

    Voltarei aqui mais vezes.Adoro o que não sei fazer.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  17. Caro amigo, belo poema...Espectacular....
    Um abraço

    ResponderEliminar
  18. Muito distante as palavras que aqui li,mas de tanta lembrança,absorvi cada palavra,que foram directas ao pensamento,adorei meu amigo.
    Beijinho bs.Lisa

    ResponderEliminar
  19. Muito bonito, a pureza dos sentimentos de criança expostos neste poema de saudade pelo que ficou para trás.
    Beijo

    ResponderEliminar
  20. Desse tempo só tenho saudade das crianças verdadeiras, que não eram os ditardozinhos mal educados de agora.
    Agora

    ResponderEliminar
  21. Fui uma dessas crianças...uma beleza o poema!
    Beijo

    ResponderEliminar
  22. O tempo rimordial.
    Ainda é possivel ver as crianças -- geração em geração -- repetiem esse gesto.
    Pena é que ele não seja, ainda não seja, universal e esteja consolidado.

    (Como correu a exposição?)

    Saudações

    ResponderEliminar
  23. nesse tempooooooooo
    as nossas crianças conseguiam ser crianças tanto tempooooooooo
    hoje crescem à pressa!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  24. OLá Poeta Vieira Calado,

    Nesse tempo...

    Acho que todos eram muito mais felizes!

    Digo eu!

    Bjinhos

    Céci

    ResponderEliminar
  25. "Nesse tempo" as manhãs eram claras, as crianças transparentes e os amanhãs feitos de promessas.

    Mas a tua poesia permanece.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  26. Que saudade desses tempos...Lindo poema!
    Bjs

    ResponderEliminar
  27. Tempos que já lá vão...
    Os tempos agora saõ outros...
    E sempre assim foi...é o ciclo da vida...noutros tempos...naquele tempo...

    Bonito poema
    Bem-haja por nos recordar aqueles tempos de criança em que o sonho ainda estava perto da realidade.
    Agora mais velhos é que vimos que a distância é imensurável!
    Forte abraço
    Mer

    ResponderEliminar
  28. Poeta,
    ...e aposto que nesse tempo, o mundo era bem melhor!!!

    Gostei imenso do seu poema , das imagens desenhadas nas palavras.

    Um beijo meu,
    Margusta

    ResponderEliminar
  29. Aquela árvore desenhada
    era alguma esperança
    beijinho de criança...
    e o caminheiro andava
    com o coração que cantava...

    no segredo da rua da cidade
    vai ainda em alguns, muita verdade.

    beijo com amizade

    ResponderEliminar
  30. Caro VC,
    Nesse tempo, crianças sonhavam ser tudo, até poetas. Uma delas fez essa "Viagem Através da Luz" e chegou à terra de hoje. Na viagem transitada através da luz deixou "poemas,combates pelos outros e por nós, lembranças do grande mar,amores".
    Que continue ambicionando o sorriso dessa criança e os trespasses de luz não lhe falte.

    ResponderEliminar
  31. mudam_se os tempos
    mudam_se as naturezas mortas


    e porque não?

    ResponderEliminar
  32. Vieira Calado, como foi bom ser criança no nosso tempo!. Gostei muito desta poesia, assim como tudo quanto tenho lido - faz-nos bem! Obrigada por isso.
    Como correu a Inauguração do dia 17Janeiro?

    beijinho

    ResponderEliminar
  33. nesse tempo também havia o vendedor de barquilhas

    ;)

    ResponderEliminar
  34. Belíssimo, Vieira!

    É uma pena que substituiram a arte da criação infantil por máquinas que já vem com o brinquedo pronto para neurotizar as mentes infantis.

    Certamente uma nova humanidade robótica está a se formar.

    Ainda bem que vivi esse tempo.

    Beijos

    Mirse

    ResponderEliminar
  35. um poema pleno de "luminosidade"... poderiam os dias ainda ser assim?

    abraço.

    ResponderEliminar
  36. Amigo poeta,

    nesse tempo a única coisa que não tínhamos era a liberdade...
    hoje, há em excesso e isso faz-nos ter saudades desse tempo puro e cheio de encanto.

    um abraço

    ResponderEliminar
  37. Poeta Calado

    O que encanta na criança, dentro de tantas coisas é o brilho de esperança no olhar e é esta vivacidade que devemos cultivar nelas, pois ela é nós hj e isso acarretará em alegria e emoção no presente, deixando o pretérito para paginas amarelas de um jornal e o futuro feito pipa no ar, conduzida pela mão presente.
    Bjinhos e um bom final de semana.

    ResponderEliminar
  38. Já tinha lido mas só agora comento que isto é muito, muito bom !

    JMB

    ResponderEliminar
  39. Não podia deixar de "pintar" um comentário. Um poema lindíssimo. sem mais palavras:gosto muito!

    ResponderEliminar
  40. Tempo bom, será que algum dia volta?

    Linda poesia, como todas que você escreve.

    Beijos e desculpe minha ausência.

    ResponderEliminar
  41. 1 vim agradecer as palavras deixadas no blog de nosso amigo Alvaro....
    Um grande escritor e um grande poeta...
    E eis que me deparo a mais um nobre escritor dessa terra tão produtiva em talentos....
    Estou aqui invadindo seu espaço a contemplar suas escritas.

    Um abraço
    Andresa

    ResponderEliminar
  42. E, porque precisasse o caminheiro duma árvore, desenhada por uma criança, enfeitada de palavras, inventou-se o poeta. Pois não foi assim, Senhor Poeta?

    ResponderEliminar
  43. Ainda hoje há crianças como a que descreve neste excelente poema, meu caro amigo.
    As crianças de agora não são piores ou melhores do que as crianças desse tempo passado, são diferentes.
    Saudade desses tempos... não tenho. Como filha única fui sempre uma crianca insuportável; os meus filhos são muito mais fáceis de lidar.
    O que eu gosto neste poema é a sua musicalidade, a qualidade do poema em si. Penso traduzi-lo, se estiver de acordo. Os membros do Círculo Literário querem, que eu continue a traduzir os seus poemas, querem mesmo que num dos encontros só se fale de poesia portuguesa. Eu cá tenho um grande respeito pela poesia, por isso, prefiro traduzir prosa.
    A saudação habitual de Düsseldorf!

    ResponderEliminar
  44. Era verde o meu mundo nesse tempo.
    Escrevi num poema: "Nós tínhamos tempo de contar as estrelas."
    Agora, estrelas não há mais.
    Agora, "é proibido pisar na grama".
    O seu poema mexe com a saudade. Obrigado.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  45. Caro Amigo Vieira Calado,

    Rei mosto/Rei Porto são eternos e naturais. O que não é muito natural é a mente humana que abusa destas dádivas da Natureza.

    E 100.000 vistas, uau... É obra e uma bonita obra.

    Um grande abraço

    José António

    ResponderEliminar
  46. Olá vieira,
    Quanta verdade, quanta saudade
    deixaste fluir aqui.
    Nos versos bem desenhados
    e lembranças tão bem plantadas.
    ...Meus bons tempos revivi.

    Obrigada pela visita - Amei este espaço. estarei sempre por aqui.

    ResponderEliminar
  47. Calado

    Tenho andado meio perdida, por aí...

    Lindíssimo este poema. O tema toca-me particularmente!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  48. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar