,

,

terça-feira, 6 de maio de 2008

POEMA AO PÂNTANO DO SOL

.

Esta indolência do ar,

o calor ainda húmido da terra

aberta a um olhar fecundo


que apodrece o pântano do sol

em imagem de poeiras imprecisas

pairando à luz do dia


como um tímido cristal

reflectindo a luz na brisa -


águas breves

caindo sobre a fronte


escorrendo

para o interior dos olhos indolentes

de quem conhece a terra

coberta pelo sol.



inédito

49 comentários:

  1. Em muitas tardes de Verão sentimo-nos assim.
    Não foi o caso deste fim de semana.
    O sol continua avaro dos seus raios.
    Um abraço, caro poeta.

    ResponderEliminar
  2. Terra coberta pelo sol, calor, olhar fecundo...

    Lindo, simplesmente, querido poeta.

    Obrigada por passar no baú.

    Bj

    ResponderEliminar
  3. quem sou eu para comentar , um estado de alma sublime?

    deixo sómente isto;
    gostei imenso , e que o cristal se torne luzente ....

    abraço amigo

    ResponderEliminar
  4. De cristais se fizeram as palavras, delas resultou um poema...Interessante.

    ResponderEliminar
  5. Mesmo nas águas pantanosas, econtramos promessas de Vida...

    E quantas vezes, na caminhada da Vida, atravessamos pantanos... neles nos renovamos, deles renascemos...

    Muito gostei do fluir destas palavras...

    Amigo, deixo um beijinho

    ResponderEliminar
  6. Vieira!
    E quem é mais sábio do que "...quem conhece a terra coberta pelo sol"...?
    Belíssimo poema!
    Abraços!

    ResponderEliminar
  7. Caro amigo, excelente poema...Um estado de alma muito criativo !
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. a imagem da natureza-pântano e uma sensação tão humana que teu poema me desperta...
    beijos!

    ResponderEliminar
  9. Sol, palavras e pântanos mágicos.

    Fenomenal Vieira.

    Beijinho doce

    PS: Ya te linkei também;)

    ResponderEliminar
  10. As palavras são sempre (?) um bálsamo,quer sejam feitas de cristal, de luz, de luar, ou tão simplesmente de amor...e quando desenhadas pela mão dum poeta, atingem a perfeição.
    Gostei de te ver por lá.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  11. Ainda não tinha vista a palavra pântano envolta de tão genuína poesia.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  12. conhecer terra... apenas os poetas!
    gostei muito do poema!

    abraços

    ResponderEliminar
  13. lindo poema...

    um verdadeiro hino ao sol..ao teu sol...:)

    kiss

    ResponderEliminar
  14. lindos....
    o poema e o seu "olhar" sobre as "coisas" da Terra...

    um sorriso :)

    ResponderEliminar
  15. Muito bonito este poema.

    Tem "imagens" muito bem conseguidas...

    Beijitos

    ResponderEliminar
  16. Gostei, muito mesmo.
    Obrigado por aquela do Egito Gonçalves. Ainda o estou a ver com aquele cabelo comprido e barba na última vez que o vi no teatro aqui no Porto (há + de 30 anos talvez) onde tinha ido com o meu Pai. Era um grande amigo do meu Pai.

    Um abraço,

    JMB

    ResponderEliminar
  17. Olá querido Amigo, sublime poema!
    Apenas tenho a comentar!... Que Adorei... Beijinhos de carinho,
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  18. Um olhar sensível... imagens que vêm para dentro dos rios dos olhos. Um abraço, poeta. Parabéns pelo poema e o blog.

    ResponderEliminar
  19. Terra coberta de sol.
    Rosto coberto da sal.

    ResponderEliminar
  20. Bom dia, Vieira.
    lindo poema. Aqui no Brasil, especificamente no Rio de Janeiro, há o culto ao sol. Todas as tardes ensolaradas, quase todas, pessoas se aglomeram e aplaudem o pôr do sol na praia do Arpoador. É lindo!
    Aproveito para dizer que mandei meu endereço por resposta a um email seu. Mas posso deixar aqui, pois me interesso por "Transparências".
    Brasil
    Rio de Janeiro
    Rua Paula Freitas nº89 ap. 902
    Copacabana - Rio de Janeiro - RJ
    Cep 22040010
    Grande abraço , amigo

    Mirze

    ResponderEliminar
  21. Caro amigo Vieira,belo poema,sublime.

    Como um timido cristal
    reflecindo a luz da brisa

    Agradeço a sua visita ao meu blog

    Abraço

    Lourenço

    ResponderEliminar
  22. assim canta o poeta, sublimando a vida.

    ResponderEliminar
  23. Ol�,

    Venho pedir desculpas por n�o vir c� h� algum tempo, mas a verdade � que o meu filhote esteve doente e, como estive com ele em casa, o trabalho acumulou e agora o tempo � escasso.

    Hoje apenas venho agradecer a sua amizade e simpatia e dizer que voltarei brevemente, com mais tempo, para p�r a merecida leitura do seu blog em dia, sim?

    Beijinhos e at� breve.

    ;O)

    ResponderEliminar
  24. Sempre lindo os seus poemas ;)
    Beijinhos e Voltei ... será ? nem sei ;)

    ResponderEliminar
  25. poesia maiúscula e densa. palavras que se encontram e conjugam a vida. abraços.

    ResponderEliminar
  26. Águas breves são os pequenos prazeres de cada dia, mas valem a pena. Tal como aqui vir ler a sua poesia.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  27. (...)escorrendo

    para o interior dos olhos indolentes

    de quem conhece a terra

    coberta pelo sol.


    Como sempre belos estes teus poemas.
    Um jinho grande

    ResponderEliminar
  28. Que bom o cheio a sol molhado...


    Abraço

    ResponderEliminar
  29. É bem verdade amigo, olhamos com olhos indulentes para esta terra...
    Saboreando com meu olhar
    Este imenso rio
    Sinto seu cheiro,
    Sua grandeza, imensidão
    Sua pureza...quando enche ...desvastidão
    Mas como é bom saborear com o olhar
    Toda esta imensa natureza e
    Sua grande beleza.
    Vamos todos este fim de semana saboreá-lo e que seja óptimo...
    Beijinho prateado
    SOL

    ResponderEliminar
  30. simplismente bela!!!
    Estou aguardando a vinda desses poemas ao Brasil, ok?

    ResponderEliminar
  31. Um poema muito lindo!!! Parabéns, poeta...Beijos e muita luz!

    ResponderEliminar
  32. Poema lindo...uma homenagem à natureza com palavras que me envolveram.
    Lindo,lindo.

    Obrigado,pela visita ao meu mar.´

    Aceita um beijo carinhoso?

    ResponderEliminar
  33. Amigo!

    Vim agradeceer a visita lá em casa.
    É muito bom te ver!

    Ilaine

    ResponderEliminar
  34. Palavras repletas de belas imagens num excelente poema. Parabéns.

    Bom fim de semana,
    Abraço.

    ResponderEliminar
  35. Quem me dera sol, para me estender, nem que fosse sobre um pântano, durante o fim-de-semana! Mas aqui está de chuva :( abraço!

    ResponderEliminar
  36. Apesar de ser uma adoradora da lua, sempre me rendi a realeza do sol e sua poeira dourada...mágica!
    Lindo poema!

    Bjuxxx.

    ^^

    ResponderEliminar
  37. Belíssimo poema! Parabéns!!!
    Beijos

    ResponderEliminar
  38. belíssimo!
    apetece-me oferecer-lhe um bocadinho de pura emoção, parte deste seu poema fez-me recordar um dos "filmes da minha vida"... "entrando pelo mar adentro vogando deslizando
    para além do que o devaneio promete aos sonhos"
    http://br.youtube.com/watch?v=pOfkFIEJJu8&feature=related

    um sorriso :)

    ResponderEliminar